Alphabet(GOOG): LUCRO? DA UMA GOOGLADA QUE VOCÊ ACHA

Lá Fora

“Põe no Google que você acha!”

“Dá uma googlada nisso”.

Google é daquelas empresas que conseguiram a façanha de substituir nomes de objetos ou ações por uma marca, pela identidade de uma empresa…tipo Gillete, Xerox, Super Bonder e por aí vai…Só hoje mesmo eu já devo ter dito uma das frases acima sem me dar conta.

Só parei para pensar nisso e escrever esse texto quando olhei esse gráfico aqui:

Sim o Google é meu companheiro…Chrome, Maps, Youtube, Gmail, Drive, Play Store….tenho TODOS e uso TODOS quase que diariamente! Tipo quando eu era pequeno e queria ter os diferentes bonecos dos “Comandos em Ação” ! Bizarro!

Não por acaso esse fenômeno da tecnologia moderna tornou muitos investidores bastante felizes com suas ações rendendo seus “mils porcentos” nos últimos anos….Esses agora vão no Google a procura de um destino para as próximas férias ou um bom restaurante para gastar seus rendimentos…rs.

Mais abaixo comento mais dessa trajetória, evolução e do Google enquanto empresa.

Mas antes …

 

RESULTADOS DO 2º TRIMESTRE

…dei uma googlada e vi que as ações da empresa dispararam  no after market…chegaram a subir +5%…

A resposta é simples e direta: números acima do já esticado consenso. Google surpreendeu positivamente Wall Street nesse fim de tarde de segunda.

  • Lucro por ação ajustados de $11,75 ante os $9,59 esperados.
  • Receitas de $32,66 bilhões vs $32,17 esperados.

3 Coisas me chamaram atenção:

  1. Mercado estimava um crescimento de 23% de receitas, mas quando se trata de empresas de tecnologia é sempre grande o receio de que o forte crescimento estimado possa não se materializar. O que não foi o caso da Alphabet nesse trimestre com receitas crescendo 26% e isso após anos de crescimento acumulado mostrando que o ritmo de crescimento segue elevado, o que realmente impressiona.
  2. Muito se comenta sob a perda de margens que o Google veio passando ao longo dos últimos anos como resultado de uma maior custo de aquisição de tráfego (TAC) – aqueles que incluem o dinheiro que paga para aos fabricantes de telefones, como a Apple, para usar seus serviços por exemplo. Apesar de crescerem (26%), eles diminuíram como proporção da receitas comparativamente ao 1T18 passando de 24% para 23%. Parece pouco, mas representa uma menor mordida dos custos.
  3. Mercado parece não ter ligado muito, mas as cifras realmente impressionam. O resultado foi impactado pela provisão de US$ 5 bilhões refentes a multa aplicada pela União Europeia a empresa pela prática de concorrência abusiva envolvendo o software Android. Incluídos na conta o EPS cairia pra $4,54..bem menor que os $11,75 reportados.

Números que impressionam…o crescimento foi entregue e isso, para muitos, justifica os valuations caros que vemos hoje em dia em ações de tecnologia (comento mais a respeito dos múltiplos esticados dela lá embaixo). Conference call não trouxe nenhuma grande novidade ou algo que sustente um otimismo exagerado. No entanto só reforça a visão de que o Google segue dominando mercados em que atua e cada vez mais presente em nosso dia dia. E sendo assim, suas ações caminham para o all time high! 

 

ENTENDENDO QUEM É O GOOGLE HOJE

Alphabet Inc. é uma holding que possui diretamente várias empresas que foram pertencentes ou vinculadas ao Google, incluindo o próprio Google. Ela foi anunciada em 10/08/2015 e foi criada como forma de reestruturar o Google movendo as subsidiárias do Google para a Alphabet, diminuindo a área de atuação do Google. A Alphabet é hoje uma coleção de empresas – a maior delas, é claro, é o Google, mas também inclui produtos de Internet, como o Access, o Calico, o CapitalG, o GV, o Nest, o Verily, o Waymo e o X. O Google a principal empresa responde por 99,5% das receitas enquanto o resultado das demais empresas são reportados numa linha a parte chamada “ Outras Apostas”, as quais seguem reportando prejuízos quando consideradas em conjunto.

Big numbers. Empresa avaliada em US$ 833,836 bilhões ou US$ 1.198/ação (jul/2018)

  • Receitas: US$ 117,2 bilhões (últimos 12 meses).
  • Lucros: US$ 16,6 bilhões ou US$ 23,62/ação (últimos 12 meses).
  • Fluxo de Caixa livre de US$ 23,9 bilhões em 2017.
  • Ativos US$ 197,3 bilhões. Caixa de US$ 102,9 bilhões.
  • Valor patrimonial da ação de US$ 231,42.
  • Cerca de 90 mil funcionários espalhados pelo mundo, com escritórios em mais de 50 países.

Evolução dos números. De 2011 para cá as receitas da empresa saltaram 192,5% saindo dos 37,9 bilhões para 110,9 bilhões, um crescimento médio anual de 20% ao ano. Do total da receita atualmente, 47% são oriundos do mercado americano, 33% EMEA (Europa, Oriente Médio e África), 15% da APAC (Ásia e Pacífico) e apenas 5% da américa Latina e Central. Abaixo o gráfico que mostra a evolução da receita de 2011 pra cá.

 

 

Grande parte (86%) das suas receitas hoje continuam sendo derivadas da publicidade ou propaganda direcionada como mostra o quadro abaixo (segmento destacado em vermelho).

 

E apesar de vir sendo questionada pela perda de margens de lucratividade no curto prazo, olhando pelo lado de lucro é inegável o seu sucesso. O Lucro da Alphabet saltou de 9,7 bilhões em 2011 para 22,5 bilhões em 2017 quando excluídos os efeitos não recorrentes do tax reform (item extraordinário e negativo da ordem de 9,8 bilhões) – taxa anual de 15%. Abaixo o gráfico do crescimento de lucro.

 

 

Se confirmar as expectativas dos analistas para 2018, de um Lucro por ação de US$ 43,84 a empresa terá apresentado um crescimento de 133% em seus lucros por ação nos últimos 5 anos.

E mais que isso o Google faz parte do nosso dia a dia…dá uma olhada nessa estatística…

 

 

O business do Google. A Alphabet Inc., através de suas subsidiárias, fornece serviços de publicidade on-line nos Estados Unidos e internacionalmente. O segmento do Google inclui os principais produtos da Internet, como Anúncios, Android, Chrome, Comércio, Google Cloud, Google Maps, Google Play, Hardware, Pesquisa e YouTube, além de infraestrutura técnica e novos esforços, incluindo Realidade Virtual. Esse segmento também oferece conteúdo digital, serviços de nuvem corporativa e produtos de hardware, além de outros produtos e serviços diversos.

Olhando para trás é inegável a capacidade da empresa em crescer em todas as esferas. No entanto, este crescimento tem se dado sob pena de margens menores nos últimos 5 anos. E com um ROE que atingia a casa dos 18%, mas que hoje está na casa dos 10% (vide segunda imagem abaixo)

 

 

Por isso o principal foco do mercado tem sido exatamente sua evolução de margens e rentabilidade….parece que crescer só não é suficiente para justificar valuations salgados.

Valuation? Ideia de preço. Sua relação Preço/Lucro atual é de 50,21x e o P/E 2018E 28,5x ou ainda 25x se considerarmos 2019E. Relação Preço/valor patrimonial de 5,2x e Preço/Fluxo de Caixa de 21x. Números que não são os mais altos no curioso mundo da tecnologia. Mas por outro lado, estão longe de serem considerandos uma pechincha…a menos que ela siga sua saga de crescimento a elevadas taxas….15%, 20%, 25% ao ano…assim tudo fica “barato” em algum momento no futuro.

 

 

A empresa não tem dívidas e possui um caixa líquido de ~135 bilhões

Um pouco de história. O Google começou em janeiro de 1996 como um projeto de pesquisa de Larry Page e Sergey Brin quando ambos eram alunos de doutorado na Stanford University em Stanford, Califórnia. Eles desenvolveram um mecanismo novo e diferente de busca que analisava as relações entre os sites. A missão declarada da empresa desde o início foi “organizar uma informação mundial e torná-lo universalmente acessível e útil” e seu slogan “Não seja mau”. A empresa só nasce em agosto de 1998 com aportes de US$ 100 mil de alguns investidores anjo – um deles Jeff Bezos fundador da Amazon – com sede na garagem de uma amiga. Após rodadas de investimentos e um crescimento impressionante o Google realizou seu IPO em agosto de 2004 com suas ações cotadas a US$ 85 e sendo avaliado naquela data em US$ 23 bilhões. Passados 14 anos o Google vale 36x mais um acionista que tivesse comprado US$10.000,00 em ações da empresa no IPO, teria hoje ~US$ 239.000,00 considerando todos os dividendos e recompras de ações – uma valorização de ~2.105% ou ainda mais de 25% ao ano.

Competidores. Ainda que o Google me pareça imbatível, mecanismos de busca de propósito geral e serviços de informação, como Baidu, Bing da Microsoft, Naver, Seznam, Yahoo da Verizon, e Yandex são potenciais competidores. Mas olhando o gráfico abaixo fica clara a hegemonia da empresa Californiana. Google respondia por 86,3% das buscas em abril de 2018, enquanto o Bing (segundo colocado) apenas 6,5%.

 

 

Era isso.

Aquele abs.

 

2 comments

  • Olá Will,

    Primeiramente parabéns pelo excelente post!

    Quanto ao Google, creio que o caminho a ser seguido para manter um crescimento pelo menos próximo do que vem tendo nos últimos tempos será somente na base de aquisições de outras companhias, pois com os atuais “produtos” não vejo grandes ganhos em termos de expansão, entendo que estão próximos do limite conseguindo somente melhorias nas margens, conforme você mencionou.
    Particularmente não investiria hoje na Google, ou melhor na Alphabet, tendo em vista o risco de haver uma nova empresa que possa desbancar a mesma, por mais que pareça improvável, mas neste ramo de tecnologia é algo bem comum.

    Abraços,
    Sidnei da Silva

    • Sim é comum.
      Mas com o caixa que tem penso que podem fazer aquisições e gerar mais valor ao acionista….tal qual o Facebook fez com Instagram e Whats.
      Mas certamente investimento em empresas tech tem o puta risco da disrupção…de amanha ou depois surgir um outro cara.
      Obrigado pelo comentário!

Leave a Reply