AS 6 FACES DA TECNOLOGIA

Lá Fora

Em 1949 George Orwell se atreveu a prever o futuro em sua brilhante e seminal obra chamada 1984. Nela ele se atrevia a entre outras coisas prever o futuro, no caso 35 anos a frente. É como se hoje eu me aventurasse a imaginar ou a supor o mundo em 2053 quando eu tiver meus 70 anos de idade! Mais do que apenas carros voadores, ou skates como no caso de Mcfly do De Volta para o Futuro, as previsões acerca dos avanços da tecnologia sendo levados a “perpetuidade” criam ideias muito efêmeras e circunscritas a realidade que nos cerca. Ou seja, criamos e projetamos o futuro baseados naquilo que vemos hoje.

No mercado financeiro isso se torna especialmente perigoso. Um exemplo mor disso foi a bolha das empresas .COM em 2001. Voltando um pouco no tempo, os anos 90’s foram um período de rápido avanço tecnológico em muitas áreas, mas foi a comercialização da Internet que levou à maior expansão do crescimento do capital que o país já havia visto. Embora as empresas de tecnologia já existissem e apresentassem um consistente crescimento orgânico (Microsoft, Intel, a Cisco e a Oracle), foram as start-ups “dotcom” que impulsionaram o aumento do mercado com o índice NASDAQ dominado pela tecnologia aumentando de menos de mil para mais de 5.000 entre 1995 e 2000. O gráfico abaixo da uma dimensão do tamanho da coisa.

Mas ainda melhor são os exemplos…

  • GeoCities, comprada pela Yahoo! por US$ 3,57 bilhões em janeiro de 1999. Yahoo! fechou o GeoCities no dia 26 de outubro de 2009.
  • Boo.com, gastou US$ 188 milhões em 6 meses na tentativa de criar uma loja de artigos de moda online e global. Foi à falência em maio de 2000.
  • O Pets.com lançado em 1998 gastou milhões de dólares em publicidade acreditando na ideia de um Petshop online. Em 2000 a empresa realizou seu IPO e 268 dias depois ela foi liquidada (fechada). O cachorrinho pelo menos parece simpático não?

Pets.com's Greg McLemore raised $121 million from investors but lost money on every sale.

Apesar das mais doidas previsões existentes acerca do futuro, é interessante que alguns conceitos colocados por Orwell de fato tiveram uma interessante conexão com a realidade. O seu famoso Grande Irmão que está de olho em você (Big Brother no termo original) não difere quase em nada do progama de TV, mas também das redes sociais que estão “de olho em nós” diariamente. Além disso a “Novilíngua” que no livro foi criada para controlar a história poderia se assemelhar a linguagem de programação atual…a qual é tão utilizada para nos ajudar e também, quem sabe controlar nossa vida?

 

Voltando aos investimentos.

Porque estou falando disso? Porque hoje o mercado de investimentos parece também tomado pelas perspectivas e visões acerca do futuro. Analistas de investimento vestem a carapuça de George Orwell na hora se projetar seus fluxos de caixa futuros, suas estimativas de vendas que só crescem e consequente valor infinito para alguns ativos. E olha que interessante, hoje (01/08/2018) a Apple está muito perto de alcançar a impressionante marca de US$ 1 trilhão de valor de mercado!!

Com isso não tem como não relacionar tecnologia a um celular novo, um app da moda, um canal novo de youtube ou mesmo app novo de transportes. Sim tecnologia é isso. Mas é muito mais! Existe um mundo de diferentes facetas dentro do “guarda-chuva” da tecnologia. Não por acaso esse grande guarda-chuca responde por nada mais nada menos que 25% do índice S&P que congrega as principais empresas dos EUA.

 

Por isso resolvi escrever aqui 6 FACES DA TECNOLOGIA. Pra você que não é um entusiasta de nenhuma blogueira nova, ou um  “instagramer”, mas que gosta e acredita que o investimento em tecnologia deve ser considerado na hora de montar uma carteira….pra te mostrar que existe vida além das FAANG que estão tão na moda.

 

6 FACES DA TECNOLOGIA.
1. Fabricantes de semicondutores, circuitos integrados e microchips: 

Um semicondutor é basicamente uma substância que conduz a eletricidade em algumas circunstâncias e são componentes cruciais dos dispositivos eletrônicos..eles estão em todos os lugares…de um celular até um som do carro, ou uma máquina balança digital. Em 30 anos esse segmento apresentou um exponencial crescimento com as vendas saindo da ordem de US$ 33 bilhões em 1987, para alcançar US$ 408 bilhões em 2017, um crescimento de mais de 1100%, uma taxa média anualizada de 9% de crescimento constante desde 1987!

Em relação as perspectivas elas seguem de forte crescimento calcado no avanço em diferentes vertentes como semicondutores para outros produtos como carros, geladeiras, televisões, etc.; além da continuidade de expansão regional em diferentes mercados.

A maior fabricante de chips de semicondutores foi a Intel durante muito tempo, até que no ano passado a Samsung a ultrapassou. Atualmente Samsung tem ~15% de share, Intel 14% e SK Hynix 6%. Mas a Nvidia que rouba a cena no universo de empresas de semicondutores e mostra que existe sim potencial de ganhos fora das mais badaladas empresas de mídias sociais. O gráfico abaixo compara Nvida (cinza), Intel (azul) e Taiwan Semiconductor Manufacturing (vermelha) , as 3 maiores negociadas nos EUA. A Nvidia projeta unidades de processamentos gráficos (GPUs) para os mercados de jogos e profissionais, bem como o sistema em unidades de chip (SoCs) para o mercado de computação móvel e tem como principal concorrente a AMD. As ações da californiana acumulam valorização de mais de 1400% nos últimos 5 anos…número esse bem superior as 130% da TSM e 100% da Intel ou ainda mais de 65% do S&P.

 

2. Telecomunicações e negócios relacionados a comunicações: 

Apesar de muitos esquecerem, o telefone foi uma grande invenção do século 20…e os avanços da tecnologia no campo das comunicações realmente mudou o mundo. No entanto, lembramos dessas empresas somente quando temos problema com a internet ou para reclamar da velocidade de transmissão de dados. Não por acaso as empresas do setor meio que “saíram de moda” e o desempenho das ações deixaram a desejar. Gráfico abaixo mostra o desempenho nos últimos 5 anos de gigantes americanos com mais de US$ 200 bi de valor de mercado como AT&T (linha azul) e Verizon (linha verde), mas também de empresas estrangeiras negociadas nos EUA como a inglesa Vodafone (linha vermelha e market cap de US$ 63 bi) ou a China Mobile sediada em Hong Kong (linha laranja e market cap de US$ 184 bi)….a a linha preta bem acima é o S&P que representa a média do mercado.

Dentro desse grande “guarda-chuva” de empresas de comunicação temos ainda gigantes das redes como é o caso da Cisco que projeta, fabrica e vende redes baseadas em Internet Protocol (IP) e outros produtos relacionados à indústria de comunicações e tecnologia da informação em todo o mundo. Com market cap de mais de US$ 200 bi a gigante viu suas ações acompanharem o bom desempenho do S&P nos últimos 5 anos com valorização de 70%.  A Qualcomm é outra empresa desse segmento mas que vem encontrando dificuldades nos últimos anos, tendo visto seus lucros encolherem 70% de 2014 para cá e suas ações caírem ~13% de 2014 pra cá enquanto o S&P acumulou alta de mais de 30%.

 

3. Hardware, PC’s e Lap Tops

Quem lembra do lançamento do “Pentium”…ou da expectativa existente com o mais novo desktop que seria lançado e tudo mais….aquele novo lap top mais fininho…ou quando o Steve Jobs chocou todo mundo com um lap top dentro de um envelope?! Pois é os áureos tempos para esses “gadgets” ou “devices” parece terem ficado para trás. o mercado de PC’s e Laptops vem experimentando desaceleração desde 2011, com as vendas se reduzido em 28% até 2017 quando foram vendidas 262 milhões de unidades como mostra o gráfico abaixo.

E com menor quantidade e menores preços, as Receitas geradas pelas vendas de laptops vem se reduzindo. Estimativas sugerem que o preço médio de venda de laptops tenha diminuído em torno de 65% em relação a 2005. Em termos de players do setor eles são bem conhecidos de todos nós:

E com as vendas em declínio e o produto sendo considerado cada vez mais uma commoditie as empresas tiveram que se reinventar, caso da DELL e outras saíram do business de venda de computadores por exemplo, caso da IBM. Enquanto as ações da DELL acumulam valorização de 150%, as ações da Xerox por exemplo vem apresentando seguidas quedas e a empresa vale hoje menos que o Baidu (site considerado o Google chinês).

 

4. Empresas de software: 

Na indústria de software, ou quem sabe podemos chamar de mundo de software? Pois bem, existe um universo de diferentes empresas com uma atuação bem ampla. A tabela abaixo lista as 10 maiores.

Em termos de sistemas operacionais para computadores…aqueles que somos mais familiarizados, a hegemonia da Microsoft segue absoluta, ainda que ela tenha perdido Market share de 2013 até final de quando a partir de então voltou a recuperar participação. Em julho de 2017, o Market share do sistema operacional Windows era de 84,5%.

E com atuações tão diversas as performances das ações do setor também foram bem distintas. Abaixo gráfico comparando Adobe (vermelho), Microsoft (azul) e Oracle (verde) comparando com o S&P (preto).

 

5. Mobiles

Talvez a face da tecnologia mais conhecida e que mais avançou nos últimos anos. Em 2017, cerca de 1,54 bilhões de smartphones foram vendidos em todo o mundo. Esse é um mercado que cresceu 12x em 10 anos, ou quase 30% ao ano! Estima-se que cerca de 1/3 da população mundial possua um smartphone. Apenas nos Estados Unidos, as vendas de smartphones deverão valer cerca de US$ 55,6 bilhões em 2017. Estima-se que 84% de todos os usuários telefones móveis nos Estados Unidos sejam de um smartphone. Clichê falar em crescimento exponencial…mas é de fato o que aconteceu nos últimos anos…

 

Com cada vez mais pessoas possuindo um smartphone no mundo.

 

Em termos de sistemas operacionais a hegemonia do Android segue absoluta. Introduzido pelo Google em 2007, o Android é o sistema operacional de smartphones mais popular do mundo a partir de 2016. Desde o lançamento, as vendas de smartphones rodando no Android cresceram ao longo dos anos. Em 2009, foram vendidos 6,8 milhões de smartphones Android. Até 2015, esse número aumentou para mais de 1,16 bilhões. O Android representou cerca de 85% de todas as vendas de smartphones para usuários finais em todo o mundo no início de 2016.

Os grandes nomes aqui são Apple e Samsung que dispensam apresentações. Mas é interessante notar como gigantes como Nokia, Motorola e Blackberry sucumbiram a ferrenha competição e necessidade de inovações constantes. Quais serão as empresas que resistirão nos próximos anos? Apple parece reinar absoluta e seus lucros só crescem…

E suas ações também repercutem isso… ações da Apple na linha roxa comparadas ao S&P.

Mas para sustentar isso os gastos são cada vez maiores em pesquisa e desenvolvimento…característica marcante do setor.

Será que os investimentos darão a segurança para a líder do setor? Os acionistas atuais acreditam que sim…os que não tem ação dizem que não…consenso apenas nas incertezas.

 

6. Empresas do mundo da internet: 

Este poderia ser um capítulo a parte….o mundo da internet e o sem fim de vertentes de negócios que foram criados a partir dessa invenção maravilhosa da internet. Cada vez mais pessoas usam internet no seu dia dia. Isso Orwell não conseguiu prever. O número de usuários de internet no mundo cresceu 250% de 2005 até 2017 (12 anos) atingindo mais de 3,5 bilhões de pessoas em 2017, uma taxa anual média de crescimento de 11%aa.

Obviamente que a penetração é maior nos países desenvolvidos, mas em termos numéricos a Ásia é hoje onde se encontram o maior número de usuários. Isso obviamente atrai e ajuda a desenvolver aquele ecossistema para negócios voltados a tecnologia.

E os nomes aqui super conhecidos…Facebook, Google, Twitter  entre outros….aqueles que caíram na boca do povo…aqueles que hoje carregam a fama de empresa tecnológica porque apesar de não necessariamente serem as desenvolvedoras de tecnologia de ponta no mundo, elas conseguiram penetrar e fazer parte do nosso dia a dia. Interessante notar que as grandes chinesas já adentraram o hall das gigantes também…mostrando que existe tecnologia sendo criada e desenvolvida em internet, além do vale do silício

Interessante notar que Amazon e Netflix não entram nessa classificação…não são uma empresa de Internet propriamente dita…uma é uma gigante com diferentes tentáculos, mas essencialmente vende produtos e serviços on line, enquanto a outra provê conteúdo e entretenimento…mas…online

 

INVESTIDOR DE TECNOLOGIA

Mas e o investidor de tecnologia…o que ele espera? O que ele quer? O investidor do setor tecnologia tem que estar ciente em geral as empresas do setor tem por características:

  • Elevadas taxas de crescimento
  • Baixo ou pouco histórico de performance para avaliação.
  • Alavancagem tende a ser alta.
  • Pouca ou nenhuma visibilidade de fluxo de caixa.
  • Valuation elevado. Ou seja, você paga caro para um futuro que espera ser promissor.
  • Diferentes métricas de avaliação dado que o valor de muitas empresas não está em sua capacidade de gerar lucros. Existe muita discordância e pouco consenso na aceitação disso.
  • Baixa capacidade de pagamento de dividendos.

O principal ponto na avaliação dessas empresas é sua capacidade de se adaptar as nunces de mudanças de mercado…sua capacidade de investir e criar coisas e produtos novos. É um mundo muito louco e dinâmico e o investidor tem que estar pronto para isso…veja que

  • que empresas que ainda possuem um nome e marca muito conhecidos e que no passado figuravam entre as maiores, tais como HP, Xerox e Motorola; o valor de mercado dessas empresas somados (~US$ 95 BI) é inferior ao do valor de mercado do Booking.com!
  • … que o Valor de Mercado da maior empresa listada na bolsa brasileira a Ambev ~US 118 BI é inferior ao valor de mercado do Netflix ~US$ 139 BI.
  • … que o valor de mercado apenas da Apple é quase o mesmo do valor de todas as empresas listadas na bolsa brasileira (quase US$ 1 TRI).

Enfim a tônica é a da mudança!

 

PRA TERMINAR…

Acho que ficou claro que tecnologia vai muito além dos nomes famosos que vem puxando e gerando um bom desempenho do S&P. Tentei citar diferentes nomes e segmentos de tecnologia os quais mereciam certamente um post/capítulo a parte. Tecnologia vai muito além das FAANG ainda que essas talvez sejam de fato empresas disruptivas e que vem mudando partes das nossas vidas. O investidor que gosta tem um buffet amplo de opções onde o céu é o limite…onde carros e skates voadores são possíveis e quiça rentáveis. 

 

Era isso.

Aquele abs!

Leave a Reply