CARTEIRA WILL – 20190311

Carteira do Will
Tempo de leitura: 6 min
CARTEIRA

Vamos lá vou comentar sobre: uma pequena mudança; quais bancos uso; uma  lamentação; e FESA4.

  • Uma pequena mudança:

A pequena mudança se refere a aplicação no XP Referenciado DI….não faz sentido deixar o dinheiro parado em caixa … logo essa é uma aplicação de curto prazo sem grandes pretensões, apenas uma forma de não deixar o dinheiro parado. O XP Ref DI oferece liquidez imediata (D+0) o que me parece um diferencial interessante…além de uma tx de administração honesta de 0,4%. Nada de especial aqui, tão logo eu ache ou veja algum opção melhor de alocação, em especial em ações, saco e executo…simples assim.

  • Quais instituições financeiras uso:

Como comentei acima e imagino que vocês já saibam, uso a XP como principal instituição de investimentos. Tenho conta há muito tempo, pois trabalhei lá (de 2008 a 2014) e fui sócio (de 2012 a 2014). Existem outras opções mais baratas para quem apenas quer operar ações…mas pra quem busca uma plataforma mais ampla, de fundos e produtos financeiros, penso que a XP ainda é a que melhor atenda. Pelo relacionamento que tenho com a empresa, mantenho meus recursos lá.

Fora isso tenho conta no Itaú Personnalité. Uso como banco para operações mais corriqueiras e deixo uma grana lá de emergência…os 14% do Fundo Maxime RF.  Nada de especial, uso porque preciso.

Tenho ainda conta no Nubank. Comecei há tempos logo quando estavam iniciando. Gosto da interface, do app, do acesso ao customer service…enfim…uso como backup de banco e cartão de crédito e gosto muito.

Lá fora, por enquanto, estou usando a Drivewealth para operar….mas aguardo a Avenue Securities ser liberada pela CVM para operar no Brasil.

  • Uma lamentação:

Comentei que o dólar a R$ 3,66 estava barato (confere). Essa semana bateu R$ 3,90! Estava no aguardo de umas coisas burocráticas e por isso não enviei mais recursos para fora…mas sabia que o devia ter feito … paciência … minha meta é ter pelo menos uns 15% a 20% lá fora….estou longe disso ainda. Mas torcer para as coisas se ajeitarem por aqui e o dólar voltar a baixar. E lá fora, sigo com minha posição em USO que é um ETF que investe em Petróleo.

AÇÕES

Vamos direto ao ponto, conforme comentei acima, vou falar de Ferbasa (FESA4). 

  • FESA4

A Ferbasa divulgou seu resultado do 4T18 dia 07/03 após o fechamento e a reação do mercado no dia 08/03 deixou muito claro que os números não foram bons!

Dói demais ver sua maior posição cair dessa forma…rs…e mesmo tendo um Preço Médio em R$ 18,48 nunca é agradável sentir que você não tem mais aquilo que achava que tinha…rs

Deixando as lamentações de lado, vamos aos fatos…

Empresa produziu, vendeu mais (volume) e teve uma receita crescendo na comparação dos trimestres (4T18x4T17)….mas os preços médios praticados em dólar das ligas de ferro dela caíram…isso aliado a custos crescendo num ritmo maior colaborou para a compressão de margem – destaque para o custo de energia. Não obstante teve um valor maior referente a “participação nos lucros” comparado ao 4T17 entrando na linha de despesas; além de um valor de ajuste de “avaliação de benefício pós-emprego” (plano de previdência, saúde e
aposentadoria). Isso explica a forte queda de Ebitda. Pra finalizar, hoje a empresa possui alguma dívida, o que não era o caso no 4T17, então é normal que ela gaste com juros e isso diminua o Lucro na comparação ante o 4T17.

Mas o que mais não gostei e que de fato me preocupa no resultado foi isso aqui:

Números que de fato não foram bons…não considero catastróficos não, mas ainda quero entender algumas coisas. Muito mais que números aquém do esperado ou que eventualmente decepcionem, me preocupa saber que a dinâmica de resultados no curto prazo seguirá pressionado. Para confirmar isso, vou ouvir e participar do conferece call de resultados na segunda (11/03) …ah o call é público viu…quem quiser tem os fones, mas tem online também:

Meu foco será em entender: perspectivas de preços para os ferro cromo e silício; entender o ajuste dos benefícios pós-emprego, por que ocorreram agora e o quão one-off são; mensurar qual foi o real impacto da provisão para obsolência de estoques que eles citam no release e o quanto isso ainda poderia impactar.

Após isso tomo qualquer decisão….Se eu vender certamente comunico aqui galera.

 

De resto não vi nenhuma movimentação esdrúxula em nenhum outro ativo da minha carteira…então, segue o jogo.

 

#NOTBAD

Apesar do estrago da FESA4 que comentei acima, a carteira até que se segurou…não estou dizendo que foi bem, mas uma queda agregada de 1,3% não é nenhum absurdo para quem investe em bolsa. Apenas começo do mês…vamos monitorando….aguardo o fim da safra de balanços (encerra no fim dessa semana) para eventualmente alterar a carteira.

 

Era isso.

Aquele Abs.

Twitter: @willcastroalves / Yotube: Willcastroalves

Instagram: @willcastroalves / Facebook: William Castro Alves

11 comments

  • Ola Will, tambem tenho Fesa4 rsrs…
    Mas afinal, o custo de energia não deveria ser totalmente de sua controlada Guirapá? o complexo eólico – ou dependem ainda da Chesf?

    Pelo menos no ano o lucro foi maior que 2017…

    • Cícero a Guirapá foi uma aquisição recente e não é o “braço de energia” a companhia….foi um investimento feito quase como um hedge (proteção) dado a alta intensidade de energia da produção dela….se por um lado ela gasta com energia, por outro ganha com ela, sacou?
      Sobre a dependência da CHESF não vejo problema algum…é um contrato de LP que não se quebra facilmente…e se quebrar tem consequência jurídica sobre. Fora isso, não foi comentado absolutamente nada a respeito disso…essa “bola foi levantada” por uma casa de análise que não viu o valor do ativo e perdeu a alta.
      Mas resultado foi sim meia boca.
      Abs

  • Fala Will, blz? Will, o que vc acha dos FII’s ? Porque vc não investe neles? Algum motivo especifico ?
    Obrigado.

    • Oi Givanildo.
      Nenhum motivo específico não. Não gosto da liquidez deles que em alguns casos é um problema, mas fora isso nada contra não.
      Veja que tenho 2 ativos em carteira que seriam quase como FII’s, casos da BRPR3 e da LOGG3(galpões). São empresas descontadas em comparação ao valor dos ativos e que tem seu resultado baseado nos aluguéis que recebem dos seus imóveis…parecidos com FII’s não é mesmo?
      Forte abs

  • Ola Will !!
    Recebi informaçoes que a CHESF teria um contrato ate 2037 para fornecimento de energia eletrica a FESA . Sabe dizer se isto procede ? Em caso de privatizaçao e/ou capitalizaçao da Eletrobras , como vc acha que ficaria este contrato ?
    Abs e parabéns !!!

    • Sim é um contrato de fornecimento de energia.
      Contrato é contrato…se quebrar, vai pra justiça..rs.
      Privatização não requer quebra de contratos…pelo contrário a tendência é o respeito a esses.
      De qualquer forma a Ferbasa tem mitigado esse risco com o investimento na eólia que fizeram em 2018. Se energia encarecer o custo aumenta…mas como eles tem uma geradora de energia, se beneficiam do ganho que essa eventualmente terá…é um hedge.
      Espero ter ajudado.
      abs

  • Olá Duarte, o fato da ferbasa ter comprado a central de energia eólica justamente para não ter que depender desses contratos de fornecimento de energia é visão estratégica de futuro.

    Ademais, não somente Ferbasa mas Braskem, Vale, tem renovação de contrato especial de energia elétrica com a Chesf até 2037!

  • A conferência de FESA4 deu pra clarear as idéias Will? Muito Obrigado pelo excelente trabalho e generosidade em compratilhá-lo;abs

Leave a Reply