Grandes Investidores: Jesse Livermore, um dos maiores traders do mundo

Grandes Investidores
Tempo de leitura: 10 min

Quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui no Bugg, o que aprendi, através dessa série “Grandes Investidores”. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

 

 

Jesse Livermore – Biografia

Jesse Lauriston Livermore, esse é o nome completo de Jesse Livermore, um dos traders mais conhecidos no mundo, que acabou inclusive, tornando-se figura central de um dos livros mais lidos para traders: Reminiscências de um especulador financeiro.

Provavelmente esse é o grande investidor que mais chamou a minha atenção. Seja pela história, pela rapidez de fazer dinheiro (e perdê-lo), mas, principalmente pelos desafios que passou na vida, infelizmente terminando em algo trágico.

Jesse Lauriston Livermore, veio ao mundo em 26 de julho de 1877 e acabou falecendo em 28 de novembro de 1940. Ele foi um investidor americano, que fazia fortunas e também as perdeu em mais de 4 vezes. Nasceu em Shrewsbury, no Massachussets, em uma família pobre. Começou a ler, incentivado pela mãe, aos 3 anos e meio, e reza a lenda que leu muitos jornais, inclusive sobre investimentos. A sua primeira ação foi comprada com 14 anos de idade.

Logo mais, fugiu de casa aos 14 anos e com apenas US$ 5,00 no bolso para escapar da vida de fazendeiro, que era o que o pai queria que fizesse. Começou a trabalhar, escrevendo as cotações de ações em Boston.

Foi casado por três vezes e teve dois filhos. O primeiro casamento foi com 23 anos com uma esposa que conhecera apenas alguns dias antes. Após quedas no mercado de ações, ele pediu para a esposa que vendesse algumas jóias que ele havia dado-lhe, mas ela se recusou, vindo a causar um desgaste na relação levando ao fim posteriormente.

 

Carreira de investimentos 

Começou a fazer trades de commodities, deixando o trabalho anterior, já que ganhava mais e passou a ser trader com dedicação total. Chegou a ser proibido de negociar, eis que ganhava consistentemente e atraía curiosos, muitos pensando que era insider e que tinha informações privilegiadas. Em certo momento, ganhou mais de US$ 10 mil (o que para época, era muito dinheiro) e acreditou que Wall Street era o seu caminho.

O primeiro grande investimento veio aos 24 anos, em 1901, em que transformou US$ 10 mil em US$ 50 mil em pouco tempo.

Livermore ganhou reputação de um bom trader por uma série de bons resultados, sendo lembrado na sua época como o maior trader que já existiu. Um dos exemplos desses trades, foi a venda de Union Pacific, vendendo uma posição nessas ações em grande quantidade, um dia antes de um terremoto que dizimou San Francisco, em 18 de abril de 1906. Nesse trade ele fez cerca de US$ 250 mil, quando San Francisco foi destruída. Estas decisões, muitas vezes intuitivas, quase sempre resultaram em grandes lucros, eram um mistério para muitos e inclusive para Livermore.

Em 1907, acabou perdendo sua fortuna, devido a erros em trades de algodão, levando-o a pedir falência, sendo que acabou fazendo acordos com credores posteriormente, possibilitando-o retornar aos trades e aos lucros.

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, em 1919, acabou ganhando muito dinheiro com algodão. Ele sentiu que a demanda iria diminuir aos poucos e que depois recuperaria-se com o tempo. Secretamente, começou a comprar algodão, comprando tudo o que pudesse, parando apenas quando o Presidente Wilson  junto com o Secretário da Agricultura, indagou-lhe sobre o movimento, o que fez com que parasse, prometendo vender de volta a grande quantidade de algodão que tinha comprado pelo preço de “break even” ou preço de custo. Perguntado sobre porque quase comprou toda a quantidade de algodão disponível, respondeu que foi “para ver se eu conseguiria!”.

Terça-Feira Negra e o gráfico da Dow Jones nos anos 20 e 30, mostrando a amplitude da alta e queda

 

Possivelmente o maior trade de Livermore e mais conhecido foi durante o crash de 1929. Entrou vendido pesadamente antes do mercado despencar, usando mais de 100 corretores de ações para esconder o que ele estava fazendo. Quando o crash veio ele tinha cerca de US$ 100 milhões líquidos vendidos no mercado, mostrando ao mercado e em notícias de jornais que ele era o Grande Urso de Wall Street (a simbologia do urso é usada pelo fato de que o urso ataca de cima para baixo com suas garras e mostra uma visão de que o mercado tende a cair), sendo responsabilizado pessoalmente por parte do crash, o que ele acaba dando risada e achava ridículo na época.

Cabe lembrar que nos anos 20, o mercado estava crescendo exponencialmente, atingindo o topo em agosto de 1929. No dia 29 de outubro de 1929, Dia conhecido como Terça-Feira Negra, bilhões de dólares foram perdidos, destruindo milhares de investidores, exceto por Livermore, que saiu bilionário em valores atuais.

Uma curiosidade é que quando a esposa de Jesse Livermore ouviu sobre o crash, falou para todos os funcionários da casa para esconder os móveis para o estábulo. Quando Livermore chegou em casa, encontrou a  casa totalmente sem móveis e ficou surpreso. A esposa posteriormente comentou que tinha movido tudo para fora, porque ela tinha certeza que eles tinham perdido todo o dinheiro. Ele acalmou a esposa, mencionando que tinham feito muito dinheiro, tanto dinheiro quanto nunca antes, sendo mais de US$ 100 milhões para a época.

Cabe salientar que os US$ 100 milhões da época do Crash de 1929, equivalem hoje a US$ 1,429 bilhões, sendo uma das maiores quantias que qualquer trader fez em curto espaço de tempo.

Durante o mesmo ano de 1929, acabou novamente perdendo sua fortuna e veio o segundo divórcio, deixando-o abalado e impossibilitando-o de operar com o mesmo sucesso de outrora. Acabou em 07 de março de 1934 sendo suspenso de operar como membro da Bolsa de Chicago.

Em novembro de 1940, Jesse Livermore, após o terceiro casamento, acabou por dar um fim à própria vida, com um tiro na cabeça. Ele deixou um bilhete para a esposa Harriet, de quem chamava por “Nina”,  “Minha querida Nina: você não pode ajudar nisso. As coisas têm sido difíceis para mim. Estou cansado de lutar. Não posso mais carregar isso e essa é a única solução. Não sou digno do seu amor. Sou uma falha. Eu realmente sinto muito, mas essa é a única saída. Com amor Lauri”.

Foto tirada 24 horas antes do falecimento de Jesse Livermore

No momento da morte, Jesse Lauriston Livermore tinha uma fortuna avaliada em US$ 5 milhões ou equivalente a U$$ 87.330.000,00 milhões nos dias atuais.

 

Pensamentos sobre trades

Os princípios de trades que Livermore estabeleceu continuam a ser estudados e absorvido pelos traders, principalmente os aspectos emocionais. Suas crenças incluíam sempre seguir a tendência e estudar profundamente as condições de mercado. Sempre construía posições grandes quando o mercado confirmava suas idéias e a direção que ele esperava. Tinha habilidades para esperar fora do mercado quando as condições não eram propícias

Dizia que o jogo da especulação era fascinante, mas que não era para pessoas mentalmente preguiçosas, com equilíbrio emocional fraco ou para aventureiros que queriam riquezas rapidamente e que essas pessoas morreriam pobres.

 

Algumas das anotações do Livro de Jesse Livermore

 

Seguem algumas de suas ideias principais:

1 – Não há de novo em Wall Street. O que acontece no mercado de ações hoje, tem acontecido antes e vai acontecer novamente.

2- Compre ações que estão subindo e venda ações que estão caindo, sobre seguir a tendência.

3- Não negocie todo dia do ano. Espere pela oportunidade correta.

4- Continue com trades que dêem lucro e finalize trades que mostrem perdas.

5- Tente não fazer preço médio para baixo, comprando mais ações que estão caindo.

6 – Mercados raramente estão errados. Opiniões sim.

7- Nunca venda uma ação apenas porque parece que o preço subiu muito.

8 – o lado humano e emocional de cada pessoa é o maior inimigo da maioria dos investidores ou especuladores.

9 – grandes movimentos demandam tempo para acontecer.

10 – muito mais fácil cuidar algumas ações do que várias.

 

Era isso!!

Um grande abraço,

Eliseu

3 comments

    • Boa tarde Yan! Tento usar análise gráfica para entrada de ativos, para o “timming”, o momento de se entrar ou sair de um ativo e análise fundamentalista para escolher o que comprar. Já realizei trades, mas isso é comprovado que não dá dinheiro no longo prazo e de maneira consistente. Não há nada maior que juros compostos e isso demanda tempo para acontecer, ao contrário de trades.
      Sendo assim, o melhor é ser investidor ao meu ver e faço isso com um Clube de Investimentos que cuido através de uma gestora, onde no ano, o retorno está acima dos 34% no momento contra 14% do Ibovespa. FOcar em ativos com geração de caixa, alto ROE, ROIC, mesclando em uma carteira ativos focados em valor e algumas apostas é o ideal.
      Sucesso Yan e obrigado pelo envio da pergunta!

Leave a Reply