KROTON (KROT3) – Por que eu comprei ela para minha carteira?

Empresas
Tempo de leitura: 8 min

Caros leitores, minha intenção aqui não é recomendar absolutamente nada. É apenas a minha visão sobre a companhia e o que eu faço com a minha grana.

Let’s go!

 

Por que KROT3?

Certo… para começar, a companhia acumulou queda de mais de 20% desde a divulgação do seu último resultado, que foi “ok” por conta da sazonalidade e dos esforços da companhia para mudança de foco no segmento de educação. Nós níveis atuais, ela se tornou um case muito atrativo e temos que agradecer ao sr.mercado pelo exagero rs. Sendo assim, vejo a companhia negociando a múltiplos abaixo da média do setor e até de players globais.

Muitas ações já andaram e encontrar papeis negociando a 10x lucros vs setor que negocia na média de 20x, não tem sido uma tarefa tão fácil assim.

 

RESULTADOS EM LINHA

A aquisição da Somos, colocou ela nos trilhos para um segmento que parece ter mais valor e ser mais rentável que o Ensino Superior. Notem na imagem abaixo, que agora a plataforma K12 representa sozinha 56% do total de alunos.

Fonte: Apresentação Institucional

Segundo Rodrigo Galindo (Diretor Presidente), o caixa gerado (EBITDA) virá do PNLD (Programa de livros didáticos e FIES). O perfil de geração de caixa da companhia mudou com a compra da Somos que irá entregar mais receita de PNLD no segundo semestre, uma vez que o período de contratação e pagamento ocorre em setembro e outubro. Além disso, pagamentos de recompra de livros (PNLD também) geraram um EBITDA de R$ 90 milhões, que entra somente no terceiro trimestre (deveria ter entrado no segundo). Inclusive, PNLD (livros didáticos) já teve aprovação de 91% das obras para 2020 (recorde para a companhia), que irão para 48mil escolas públicas do país.

Em 2018 fez sua última aquisição e integrou no seu negócio a Somos Educação. E quem é a Somos? A Somos é a rede de educação básica e está dentro do plano estratégico da companhia. O Segmento de Educação Básica foi estruturado em duas grandes Unidades de Negócio (segmentos onde ela vai ganhar dinheiro):

  • Plataforma Integrada de Serviços K12 & PNLD/Contratos Oficiais: Engloba todos os produtos e serviços oferecidos para escolas parceiras, como: conteúdo físico e digital, assessoria pedagógica, avaliação, treinamento de professores, conteúdo de educação complementar (contra turno), tecnologia educacional entre outros serviços. Neste segmento também estão considerados os serviços prestados relativos ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) e demais contratos firmados com órgãos oficiais.
  • Gestão de Escolas: Compreende o desempenho das escolas de Educação Básica próprias, bem como dos contratos de gestão de escolas de terceiros (onde grandes empresas/organizações contratam a Kroton para gerir suas unidades escolares), além de todas as operações do Red Balloon (escolas próprias, franquias e “in-schools”). A operação da Red Balloon está consolidada na Unidade Gestão de Escolas, pois a maioria dos seus alunos estuda em unidades autônomas.

Sendo assim, o segundo trimestre trimestre tendem a ser mais ou menos por conta da entrada menor de estudantes (também conhecido como sazonalidade). Já para os próximos trimestres podemos esperar uma melhora e por isso eu acredito que a companhia irá bater o guidance estipulado para este ano, sendo que, até o momento ela já entregou 45% e 49% do EBITDA e Receita respectivamente. Além disso, o perfil da sazonalidade está mudando por conta no foco em Educação Básica.

Vale ressaltar que 80% da receita continua vindo do Ensino Superior que vem perdendo folego e 20% de educação básica/vendas de produtos escolares (livros, gadgets, treinamentos e etc). Porém, a tendência é que isso inverta, assim que todas as sinergias forem geradas com a incorporação de Somos (que até o momento gerou cerca de 30% das sinergias esperadas pela companhia) e pelo fato do foco da companhia estar voltado para outro segmento.

 

MAS O FIES ACABOU… E AGORA??

Ok. A companhia está sendo penalizada com a queda de demanda pelo FIES. Porém, a mesma já está financiando os próprios estudantes com o PEP (Parcelamento Estudantil Privado) e o PMT (Que seria o PEP depois que as aulas já começaram). Ou seja, ela tem mudado o seu foco e começado a andar com as próprias pernas, dependendo cada vez menos do subsídio do governo.

Segundo a própria companhia, até o fim do ano a redução do FIES será superior a 75% da base de alunos. 2020 estima-se que menos de 14% da base presencial ou 5,8% da base total de alunos. Aqui que entra o PEP (Parcelamento Estudantil Privado), que tem convergido até boa parte da saída do FIES, mas que deixa o risco maior para a companhia, uma vez que a inadimplência tende a aumentar neste caso. A companhia identificou ainda que a evasão é naturalmente maior nos primeiros semestres letivos e que ela se parece com a de alunos sem parcelamento.

E para se proteger, a mesma tem agido de forma conservadora, tanto o PEP quanto o PMT, no que tange prática contábil, usam o AVP (Ajuste Valor Presente) e o provisionamento de perdas de 50% dos valores parcelados. Vale ressaltar que o Ticket Médio do PEP é bem parecido com o do FIES/PROUNI.

Sendo assim, a minha preocupação com o FIES foi mitigada pelas atitudes que a companhia tem tomado.

 

E QUEM É A KROTON?

A Kroton é uma das maiores empresas privadas de educação no Brasil e no mundo, com uma trajetória de mais de 50 anos prestando serviços nos segmentos de educação no ensino fundamental e médio e mais de 15 anos no ensino superior. Atualmente, ela possui 143 campi de ensino superior, espalhados em 20 estados e mais de 100 cidades no Brasil, além dos 1.310 centros de ensino à distância credenciados pelo Ministério da Educação (MEC), localizados em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal. A empresa tem, no ensino fundamental e médio, quase 700 escolas associadas em todos os estados brasileiros, bem como as próprias escolas sob as marcas Pitágoras, Leonardo da Vinci e Lato Sensu.

Fonte: Apresentação Institucional – Kroton

 

MINHA CARTEIRA

Brevemente sobre a minha carteira, Kroton é apenas 1 dos ativos que eu tenho nela, ela é composta somente por ações e eu não faço aportes mensais. Ela é apenas fruto do dinheiro que eu comecei em 2017. Abaixo a rentabilidade dela mês a mês neste ano (não está atualizada para o mais recente!):

No acumulado do ano, a carteira já está rendendo 45% com o fechamento de ontem.

Por hora é isso, valeu!

Acompanhe outros conteúdos no Twitter: @Breno_Bonani  Instagram: @bonani_ Linkedin: Breno Bonani

4 comments

Leave a Reply