Grandes Investidores: Mario Gabelli, o investidor que visitava mais de 50 empresas por ano!

Grandes Investidores
Tempo de leitura: 7 min

Quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui no Bugg, o que aprendi, através dessa série “Grandes Investidores”. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

 

 

Mario Gabelli – Biografia

Mario Joseph Gabelli, nasceu em 19 de junho de 1942. Ele é um investidor americano, filho de pais italianos e um analista financeiro. Casou por duas vezes e fundou em 1976 a Gabelli Asset Management Company (GAMCO) que é tem ações negociadas na Bolsa de Valores dos EUA.

Gabelli nasceu no Bronx e ganhou uma bolsa para estudar na Fordham School, sendo laureado em 1965. Gostava de ler reportagens sobre o mercado financeiro e achava isso divertido, realizando seu primeiro investimento em ações aos 13 anos. Recebeu o seu MBA na Columbia Business School, onde conheceu Roger Murray, conhecido investidor, professor e co-autor da quinta edição do livro Security Analysis, de Benjamin Graham.

Perfil Profissional 

Fundada em 1976 por Mario Gabelli que tem hoje 73% da Empresa, a GAMCO iniciou como uma empresa de corretagem, crescendo e diversificando seus negócios durante o tempo. Desde o início a empresa foi influenciada pela metodologia Graham-Dodd, escola de investimentos conhecida por ter princípios de análise de geração de caixa e ligada ao value investing.

Gabelli tem Chartered Financial Analyst (CFA), umas das mais importantes certificações do mercado financeiro. É uma pessoa muito conhecida do público americano, eis que frequentemente ele está nas redes de televisão como CNBC, Bloomberg e CNN, além de escrever inúmeros artigos e participar do livro “Merger Masters: Tales of Arbitrage”, de 2018.

Eu e Mario Gabelli em evento para investidores da Berkshire Hathaway, na qual Warren Buffett e Charlie Munger também fazem parte

 

O início da GAMCO

Em 1976, Gabelli fundou sua empresa de corretagem, com dinheiro emprestado e com dinheiro que ele havia acumulado realizando operações na própria conta. Em 1981 ele tinha 81 contas de investidores e cerca de US$ 33 milhões em gestão. Mesmo com a economia praticamente parada e crises como o choque do petróleo na década de 70 e 80, ele conseguiu gerar dinheiro para os seus clientes a cada ano. O seu método de investimento consistia em comprar empresas que estavam em dificuldades, próximas do falecimento e posteriormente em empresas que tinham sido compradas ou em empresas que estavam em fusões, assim como empresas que poderiam ser privatizadas.

Pela metade dos anos 80, ele estava com cerca de US$ 350 milhões em ativos geridos e com retornos de cerca de 35% de retorno composto por ano.

Um dos acontecimentos que gerou grande repercussão nos EUA, foi uma capa da Business Week, mencionando sobre a morte dos investimentos em ações, sendo inclusive a capa dessa revista.

Nessa época, Gabelli manteve-se fazendo as próprias pesquisas e focava em empresas que poderiam ser compradas, empresas essas com características como uma grande quantidade de caixa, ativos como imóveis, grande quantidade de ações em tesouraria e setores onde a competição era difícil e que exigia um fluxo de caixa alto.

Uma das características de Gabelli como investidor é que ele espera anos até uma ação mostrar o seu valor. Dois desses exemplos de investimento foram a Cowles Comunication, cuja ações ele pagou US$ 14 em 1977, acabou ao longo do tempo tornando-se o maior acionista e que depois foi privatizada por um valor de US$ 46. Outro investimento foi na BHC Communications, na qual obteve cerca de 6x o retorno investido.

Seguindo a filosofia de value investor, Gabelli tinha o costume de visitar mais de 50 empresas por ano, para saber mais informações sobre as empresas investidas, encontrando-se com diretores das empresas, assim como encontrando-se com gestores de investimentos para discutir ideias. Lia cerca de 2 ou 3 jornais semanalmente, assim como cerca de 20 relatórios de empresas.

Algo que chama atenção foi que entre 1978 e 1985, Gabelli teve retorno maior que do SP500 e mais do que dobrou o retorno nos cinco anos posteriores. Entre 1977 e 1988 o retorno anual composto foi de 28% ao ano.

Hoje a GAMCO tem US$ 42,8 bilhões sob gestão e a fortuna pessoal de Mario Gabelli é de US$ 1,7 bilhão. Ele recebe anualmente salários muito altos, da ordem de US$ 40 a US$ 70 milhões e muitas vezes é criticado por isso.

 

Total de ativos sob administração em bilhões da GAMCO, Empresa de Gabelli

 

Os principais pensamentos de Gabelli sobre investimentos

Ele defende que duas coisas são importantíssimas para um bom investidor: paciência e experiência!

Quando se investe em ações, compra-se um pedaço de um negócio. O principal (e mais difícil) é saber quanto vale o negócio. Ter conhecimento em contabilidade, finanças, filosofia (sim, filosofia!) ajuda e muito na hora de realizar investimentos.

Comprar um ativo abaixo do valor intrínseco que ele tem e esperar para vender acima desse valor, deve ser o objetivo de alguém ao investir. Pensar no longo prazo, investindo realmente, evita cairmos na armadilha da especulação e paciência (tempo) é necessário para mostrar o valor real de um ativo!

Experiência é outra coisa importante para o investidor. Adquirir conhecimento sobre uma grande quantidade de empresas e setores através do tempo é tão importante quanto ter paciência e saber esperar. Não há substitutos para a experiência, pois é possível através do conhecimento antecipar tendências e mudanças que podem ocorrer em certos setores e, atualmente, mudança é a palavra mais comum em nosso mundo.

Tipicamente, investidores de sucesso são aqueles que erraram bastante ou que tiveram sorte suficiente para passar pelo erro incólumes. Esse é um pensamento meu, Eliseu, sabedoria e aprender as coisas, vêm de uma reflexão de experiências que passamos. Quanto mais tivermos reflexão e aprendermos não apenas com nossas experiências nos investimentos e na vida, mas com a experiência dos outros, mais rapidamente iremos evoluir.

                                                                                 
Histórico de retornos da GAMCO de Mario Gabelli

Era isso!

Um grande abraço,

Eliseu.

Leave a Reply