Perspectivas e Onde Investir em 2020 (by Eliseu)

Buggpedia, Grandes Investidores
Tempo de leitura: 9 min

Aqui quem vos escreve aqui é o Eliseu. Desde o início da minha jornada no mundo de investimentos procurei ler, estudar e buscar mais e mais conhecimento. Hoje, passados 15 anos, sigo aprendendo, mas posso garantir para vocês que o que mais me ajudou nessa caminhada, foi estudar o que os grandes mestres, os grandes nomes, grandes gestores de mercado fizeram e ensinaram. Por isso resolvi compartilhar com vocês aqui no Bugg, o que aprendi e venho aprendendo. Espero que os ajude, assim como esses ensinamentos têm me ajudado a ser um investidor melhor.

 

Perspectivas e onde investir em 2020 

No texto anterior escrevi sobre empresas que investir em 2019, os retornos principais e o que aconteceu em 2019. Nesse texto o objetivo é mostrar onde investir em 2020, seguindo o cenário atual apresentado. No mercado financeiro, principalmente em investimentos na bolsa de valores, os investidores tentam antecipar movimentos olhando 6-8 meses a frente. Isso quer dizer, por exemplo, que a bolsa de valores tenta precificar hoje o que pode ocorrer meses à frente. Cabe um gestor, um investidor mais ativo, verificar o cenário atual e investir baseado nas probabilidades do cenário futuro visualizado. Um ótimo gestor tem uma grande assertividade quanto a isso, porém sabe dos riscos e que é necessária a diversificação.

No ano passado tivemos como grande efeito potencializador para os próximos anos de retornos nos investimentos e melhoria do cenário econômico, a Reforma da Previdência que após cálculos posteriores teremos uma economia acima do valor inicial previsto de R$ 800 bilhões, nos próximos 10 anos. Outro grande avanço foi a MP da Liberdade Econômica, a cessão onerosa (que mostrou-se um pouco menor do que o previsto, mas que teve importância), o novo marco regulatório das telecomunicações, a parte do cadastro positivo (que vi nos Estados Unidos e que funciona muito bem, tornando os juros mais justos para ótimos pagadores, individualizando o custo do crédito), assim como o pacote anticrime, apesar das alterações do projeto. São avanços como esses que podem tornar mais fácil o caminho para o crescimento brasileiro e que isso pode trazer um bom cenário para os próximos anos.

No presente texto, tratarei do cenário que pode ocorrer em 2020 e alguns ativos que tendem a valorizar-se. Quando me perguntam qual o melhor investimento, sempre digo que não há uma fórmula mágica e o melhor investimento é aquele mais adequado ao perfil específicio de cada investidor, sendo algo único e não generalista.

 

Renda Fixa ou “perda fixa” para os investidores mais agressivos

O investidor mais antigo que é o que tem maior poder aquisitivo, obviamente porque começou a trabalhar antes, tinha o costume de investir em renda fixa e chegou a obter retornos de 42% ao ano, pois a Selic chegou a essa patamar no início dos anos 2000. Sendo assim, o capital aplicado dobrava a cada 2 anos. No cenário de renda fixa atual, que começou há 4 anos atrás, isso acabou. Hoje a Selic está em 4,5%, a poupança rende 70% da Selic e o investidor que quer ter mais retorno, precisará mudar o mindset para um cenário de maior volatilidade. Isso não é fácil e exigirá cada vez mais educação financeira em nosso País. A maioria dos juros de curto prazo já caíram, porém há ainda alguma oportunidade em termos de juros longos. Convém salientar que mesmo em renda fixa, investir em juros longos têm riscos, similares ao investimento em ações em termos de volatilidade no curto prazo.

Outros investimentos em renda fixa que poderão ser mais vantajosos, títulos high yeld e fundos de debêntures incentivadas. Lembrar que onde há potencial de retorno maior, há um risco maior.

 

Fundos multimercados – para quem tem perfil mais conservador

Como alternativa para quem não tem tempo para cuidar dos seus investimentos fundos multimercados são alternativas para ter retorno um pouco maior que retornos da renda fixa, com um pouco mais de volatilidade é claro. Buscar fundos com retorno acima de 130-140% é o ideal.

 

Fundos imobiliários – cautela, porém existem oportunidades

Com o ótimo retorno em 2019, o IFIX que é a média dos fundos imobiliários, obteve retorno acima, inclusive, do Ibovespa. Esse movimento de alta chamou muita atenção dos investidores pessoa física, sendo que alguns ainda me perguntam muito sobre o investimento sobretudo pela quantidade de manchetes sobre a excelente alta do ano anterior. Um fato importante e que comentei no início do texto sobre a questão de investir é o fato de que o que aconteceu no passado, é passado e o cenário para investimento deve ser considerado a partir do momento em que é realizado. Passado é passado e seguir manchetes e dicas de gurus é a maneira mais fácil de perder dinheiro e isso me preocupa tanto em fundos imobiliários, quando investimentos em ações. Grande parte do movimento de alta dos fundos imobiliários, foi devido a movimento macro de queda de juros, já que os fundos imobiliários possuem correlação negativa com os juros. Esse movimento macro que auxiliou a elevação no preço das cotas dos Fundos Imobiliários já chegou quase ao fim e agora o que mais contará será a qualidade e diminuição da vacância. Acredito que para investidores que pensam mais no longo prazo, há espaço na carteira para Fundos Imobiliários. Por exigir um acompanhamento mais direto, é preciso que o investidor tenha essa disponibilidade de tempo para o investimento, montando uma carteira de fundos diversificada.

 

Crème de la crème em termos de retorno potencial – ações 

O retorno do Ibovespa foi de 31,58% em 2019, um retorno só não superior ao ano de 2016. Convém observar que tivemos um dos maiores setores em termos de peso de participação do Ibovespa, no caso o setor bancário e grandes bancos, que teve um retorno aquém do esperado, trazendo para baixo o retorno do Índice, do contrário o retorno poderia ser próximo aos 45% em 2019. Como comentado, com a queda dos juros, o custo de capital diminui para empresas. Além disso, tivemos ajustes nos últimos anos, como cortes de custos administrativos, demissões e uma das maiores vantagens para os Estados Unidos (País que vivi) em termos econômicos ao meu ver, que é o alto número de desempregados, na ordem de 11,6% contra 3,5% dos EUA. Isso quer dizer que teremos um potencial de crescimento com um reflexo pequeno de inflação. Além disso, o ciclo do Brasil é de recuperação, o que tende a melhor nos próximos anos. Sendo assim, apesar das altas recentes (no Clube chegamos a retornos próximos de 300% em 3 anos e pouco) ainda acredito em oportunidade. Penso que setores como consumo, abertura maior de mercado (privatizações), empresas que estão recuperando-se são setores que tendem a beneficiar-se. Apesar da alta no setor de construção, acho que esse setor pode estar próximo da estabilidade, mesmo com os excelentes dados de prévias operacionais recentes, como exemplo da Trisul. Lembro que o mercado tenta visualizar o futuro, com cenários de hoje e o preço desconta muita coisa atualmente.

 

Resumo
  • o melhor investimento é aquele condizente com o seu perfil de risco;
  • cenários mudam, diversificar é a melhor resposta para quem não é tão proativo do mercado, precisa do dinheiro em curto prazo e não tem tanto conhecimento em investimentos;
  • cenário macro brasileiro e mundial mudou, para ter retornos maiores, investidor terá que acostumar-se com o risco e volatilidade, por muitos a mesma coisa, para mim não (um dia falarei sobre isso aqui);
  • juros baixos tendem a ser mantidos por mais tempo;
  • Brasil recuperando-se e com maior abertura, leis e procedimentos, tende a ficar menos burocrático e com uma maior possibilidade de investimentos macros por investidores, seguido pelo Governo em alguns anos, após arrumar a casa;
  • busque sempre conhecimento, risco é minimizado com informações e domínio de procedimentos.

 

Era isso!!
Um grande abraço,
Eliseu Manica Júnior

Facebook: Eliseu Mânica Júnior
Instagram: @eliseumanicajr
Twitter: eliseumanicaj

Leave a Reply