Resultado Profarma (PFRM3) 4T19 – Uma dose de turnaround que tem dado certo

Brasil, Empresas
Tempo de leitura: 17 min

Eu sei… essa companhia é pouco conhecida e quase ninguém do sell-side mainstream está olhando para ela (menos a Eleven e Brasil Plural, eles cobrem). Mas a companhia passou por um turnaround e hoje está começando a colher alguns frutos.

Já adianto que ela apresentou um bom resultado. A melhora operacional que vem acontecendo na companhia e a melhora na comunicação da administração para futuros planos, me fazem ficar otimista com o case.

Antes de adentrar no resultado e na minha opinião sobre o case. Vamos descobrir quem é essa companhia que existe a 58 anos?

Fonte: Apresentação Profarma

 

Estamos falando da 2º maior distribuidora de medicamentos do país (ela distribui para Drogasil, Pacheco, PagueMenos, dentre hospitais e outros), com 11 centros de distribuição, 3800 cidades atendidas e com uma operação de varejo que é o ponto chave para a companhia começar a brilhar.

Mas como exatamente ela ganha dinheiro?

A empresa possui 3 segmentos:

  • Farma (Distribuição)
  • D1000 (Varejo)
  • Especialidades (Marcas próprias, JV e etc).

Dentro de distribuição não a muito o que falar, ela distribui produtos farmacêuticos, de higiene pessoal e cosméticos. Esse segmento representa cerca de 81% da receita bruta da companhia. Enquanto isso, o segmento de varejo (venda de medicamentos, vacina e cosméticos) fica com praticamente todo resto, cerca de 19%.

O segmento de varejo é dividido em 198 lojas (123 no Rio de Janeiro, 63 no Distrito Federal, 3 em Tocantins, 7 no Mato Grosso do Sul e 1 em Goiás), sob as marcas Drogasmil, FarmaLife, Tamaio e Rosário.

Fonte: Apresentação Profarma

 

Em especialidades, como o capital investido nesse segmento tem sido praticamente irrisório nos últimos anos, faz sentido ele mal representar uma fatia da companhia. Ele está lá, existindo, mas a companhia acaba por nem reportar pela irrelevância. Sendo assim, já que entendemos o que ela faz e como ela faz, vamos ao que interessa.

 

QUADRO DE DESTAQUES

Fonte: Release Profarma 4T19

 

Eu sempre gosto de começar pelo quadro de destaques por que ele da uma visão geral sobre a companhia (obviamente). Mas sempre que eu olho esse quadro, já da para saber se o resultado foi bom ou não… porque quando não é bom, ou a empresa não o coloca ou coloca sem informar variações ou abandonando algumas métricas importantes (rs).

Não é o caso da Profarma, que apresentou um recorde na sua Receita Bruta, alcançando R$ 5,6 bilhões em 2019, alta de 12,8% frente a 2018. Esse aumento da receita, se deve ao fato de a companhia estar vendendo mais ou melhor, distribuindo mais!

Quando quebramos a receita bruta, percebemos que distribuição cresceu quase 19% e infelizmente, varejo retraiu 2%:

Fonte: Release Profarma 4T19

 

Mas tudo bem, varejo está na sua fase final de turnaround e o segmento de distribuição acabou por impulsionar o resultado (mais na frente eu explico melhor o varejo).

Outro ponto positivo, foi um EBITDA de R$ 116 milhões com alta de 21,8% quando comparado com 2018. Além disso, a companhia apresentou um FCO (Fluxo de Caixa Operacional) positiva em R$ 52,4 milhões (o terceiro trimestre consecutivo positivo) e ao realizou investimentos na casa dos R$ 27,5 milhões com cerca de 73,5% desse montante indo diretamente para o segmento de varejo (reforma de lojas e à abertura de seis novas lojas). O restante foi para distribuição para compra de máquinas e equipamentos.

Olhando melhor o fluxo de caixa da companhia, conseguimos perceber o ganho operacional que a mesma está tendo:

Fonte: Release Profarma 4T19

 

Primeiro que o fluxo de caixa advindo de suas operações foi positivo, isso é importante. Os Recursos Aplicados/Gerados nas Operações foi quase o dobro. Isso se deve ao fato de o “Outros” ter sido positivo em relação ao ano anterior, juntamente com uma boa gestão nas duplicatas a receber e estoques.

Esses “Outros”, grande parte dele, veio de uma renegociação na última parcela da Rosário (adquiriram em 2016) que foi favorável para a companhia. Esta renegociação acabou também por ajudar o Lucro Líquido da companhia neste último trimestre.

Outro ponto importante é que a companhia continuou mantendo o montante de investimento que o ano anterior, porém, na parte de financiamentos temos um caso interessante. Em 2018, o Fluxo de Caixa de Financiamento foi positivo e muito alto em comparação a 2019. Isso aconteceu porque a companhia fez um aumento de capital no ano de 2018, assim como em outros anos… Isso é meio ruim porque aumento de capital com frequência pode indicar que a companhia não está conseguindo gerar caixa das suas operações para pagar dívidas ou amortizá-las. O fato de ter consumido um leve caixa no final de 2019 não me preocupa… o que eu notei foi que a companhia conseguiu força operacional e não precisou aumentar o capital outra vez.

Para finalizarmos essa pincelada nos resultados, a relação dívida líquida/EBITDA encerrou em 3,8x mesmo com a dívida líquida aumentando um pouco em 2019. Nível que eu considero alto, mas que pela melhora operacional, tende a se reduzir cada vez mais.

Além disso, o que você no curto e longo prazo, pelo nível de caixa e pela melhora continua na geração de caixa, não vejo motivos para ela não conseguir honrar com suas obrigações.

Fonte: Release Profarma 4T19

 

DESAFIO DO VAREJO/COVID-19

Essa parte eu vou demorar mais um pouco. Mas você quer entender sobre o momento atual da companhia e o futuro? Então fica aqui comigo!

Aqui é o ponto chave do case. É possível perceber que houve uma melhora operacional por parte da companhia depois de tantos anos operando no vermelho e não entregando resultados.

Como distribuição já está em um nível maduro, a companhia se encontra como a 2º maior neste segmento e crescer mais do que isso é cada vez mais difícil. O segmento de varejo precisa dar certo e ganhar escala. Só que esse segmento é bastante competitivo, basta olhar as margens da companhia.

A leve queda nos resultados da parte de varejo pode ser explicada pelo fechamento de 8 lojas. Agora a companhia está investindo para abrir novas lojas e finalizar algumas reformas. A Profarma tem trabalho na reprecificação e fechamento de lojas ineficientes, esforço que já começou a mostrar efeitos positivos. Basta olhar as vendas mensais por lojas no último trimestre, que cresceram 1,7% YoY (ano contra ano) e o Ticket Médio apresentou aumento de 4,1%.

No final do ano de 2019 em um evento com investidores, o grupo mostrou um plano mais realista e sensato para a empresa. Isso envolve, retomada de ganhos nas margens do braço de varejo e uma retomada mais acelerada de abertura de lojas (após anos fechando ou reformando lojas deficitárias).

Segundo a própria companhia, pretendem chegar ao final de 2020, pela primeira vez desde a sua entrada no varejo (2013), abrindo mais lojas do que fechando e sem efeito negativo sobre a margem de lucro.

Mas calma lá! Não devemos ver uma avalanche de aberturas e nem brotando a cada esquina uma FarmaLife ou Drogasmil. A companhia sabe que ela não é nenhum Raia ou São Paulo (grupo Pacheco) que abre 100, 200 lojas por ano. A proposta da companhia é ter um “net value” em 2020 pela primeira vez, ganhando margem. Nada mal a meu ver, a companhia sabe da sua estrutura e não quer dar nenhum passo maior que as pernas.

Segundo o diretor financeiro Max Fischer, para 2020 a companhia projeta uma margem EBITDA (para varejo) de até 3,5% na metade do ano. Este índice estava em 1,9% no terceiro trimestre de 2019 e encerrou o ano em 2,1%.

Sabemos que o Covid-19 trouxe certo impacto, mesmo com muitas farmácias ainda funcionando por serem serviços essenciais a população. Muitas delas tiveram que reduzir o horário de funcionamento e tomar outras medidas. Sendo assim, não vejo como factível atingir a margem de 3,5% até metade do ano, porém, até o final me parece algo mais alcançável.

O aumento da margem, segundo Fischer, virá da maior contribuição nos resultados das lojas de melhor desempenho. Só em 2019, 70% dos investimentos foram para reformas e ampliações desses pontos. E já tem uns 4 anos que o direcionamento do capital investido começou a ir mais para varejo:

Fonte: Formulário de Referência Profarma

 

Em relação ao Covid-19…

A companhia comentou que tem sido um desafio, assim como tem sido um desafio para todos os setores. Porém, por já virem de um turnaround, a companhia estava com uma cabeça mais preparada para crises.

Logo, no começo de tudo, instalaram um software com AI (Inteligência Artificial) que cruza o horário dos seus (cliente) cupons fiscais e cruza também com o ponto eletrônico biométrico do pessoal da empresa, sugerindo uma melhore realocação. Além disso, somente as lojas do shopping foram fechadas por motivos de força maior e algumas do centro do Rio por conta da queda de pessoas transitando no lugar (isso da um torno de uns 15% das lojas totais).

Um trabalho muito excelente feito pelo time. E tem mais! Funcionários dessas lojas fechadas estão substituindo outros funcionários que pediram atestado ou que tiveram que ficar de casa. Obviamente que a companhia está buscando alguns funcionários em casa pela parte de manhã, trabalho que ela já fazia no turno da noite para deixar funcionários em suas casas.

Gestão de estoque… como fica o mix de produtos?

Por sorte, isso aconteceu em um momento que o setor que já opera mais estocado por conta de um eventual aumento de preço em primeiro de abril. Vitamina ou tudo que trata os sintomas, antigripais e resfriados, explodiu de uma forma absurda. Só vitaminas foi 200% de alta! Segundo a companhia, nessas horas toda sua previsibilidade vai por água abaixo, mas que não deixaram faltar nada aos seus clientes.

Ainda sobre gestão de estoque e logística, a companhia comentou que, continua distribuindo entre 500-600mil e atendendo 45mil clientes/mês, sendo que 20mil compram por dia. São 700-800 veículos fazendo distribuição até a parte final.

É um exercício duro para eles, porque você não tem uma preocupação só com a sua operação. Os terceiros estão operando com um volume menor, mas segundo a companhia, não teremos uma ruptura na cadeia. Não veremos nenhum desabastecimento estruturado e estão vendo notícias boas em relação ao resto do mundo. Tiveram um volume de 50% maior em todos os clientes que estavam, ou querendo aproveitar um aumento de preços ou se preparando para a demanda adicional que está havendo.

Como tende ser a companhia pós covid-19…

Esse momento pegou a companhia com os pés mais no chão. Tiveram um grande trabalho para fazer o turnaround do varejo e pegou ele em um momento em que 100% desse trabalho já estava para trás.

Já estão fazendo um terceiro mergulho na análise de cada uma das causas raízes do negócio. Do ponto de vista time ou organizacional, foi pego num momento melhor… começaram o ano muito bem e a melhoria operacional da distribuição continua forte e agora parece que é o momento do varejo.

Sobre linhas de créditos, já trabalham com linhas de créditos adicionais por conta do aumento de preço, nunca fizeram com linhas menores de 6 meses. Esse ano o aumento de preço, em tese, seria maior que no ano passado… que foi em torno de 2% e neste ano deveria ser em torno de 4%. Já estavam trabalhando isso antes e no decorrer do mês de abril, completaram mais algumas captações e parecem estar bem tranquilos. Em termo de competência, ciclo de caixa foi reduzido e quase que financiando totalmente o crescimento da companhia.

 

MEU OUTLOOK PARA PFRM3

A todos que me acompanham e leem as coisas que eu escrevo. Esse provavelmente é um dos cases mais complicados que eu já escrevi. Estamos falando de um case em final de turnaround, que a 7 anos não entrega resultados, teve 3 chamadas de aumento de capital nos últimos anos, está bem atrás dos demais players do setor quando olhamos para varejo.

Porém, todavia, contudo, eu vejo bastante valor no modelo distribuição/varejo. É um diferencial que as outras do setor não tem e quando tem é pouco. Estamos falando da 2º maior distribuidora do país. Além disso, pela primeira vez (e eu tive que esperar três trimestre para confirmar isso, não bastava um apenas) estamos realmente vendo acontecer uma melhora operacional constante.

A companhia tem conseguindo aumentar suas métricas de rentabilidade, apresentou um lucro e está diminuindo sua alavancagem. Conseguiu reduzir seu ciclo de caixa, o que é bastante positivo porque ela diminui a reposição do capital de giro que reduziu em cerca de R$ 48 milhões. E ela conseguiu isso mesmo com aumento de vendas de 13%.

Mas e seu valuation? Atrativo?

 

Olhando para o EV/EBITDA (Esperado para 2020) e o P/L, eu vejo um desconto muito atraente em relação aos principais players que negociam em bolsa. “Mas Breno, ela começou a entregar algum resultado agora, ela tem que negociar com um desconto!”. Concordo, mas acho o desconto bem grande… se a companhia realmente não estivesse entregando ou com perspectivas de piora, aí sim.

Mas vendo toda a melhora operacional, acho que ela tem condições de chegar a negociar acima de R$ 9 na minha humilde opinião. Além disso, olhando para relação entre preço e valor patrimonial por ação (P/VPA), é possível perceber que ela tem um desconto bastante relevante em relação ao seu patrimônio. E a companhia tem muito imobilizado?

Fonte: ITR Profarma 4T19

Ela tem bastante imobilizado! Assim sendo, 50% de desconto, é um desconto bem acentuado e para mim faz sentido ela negociar pelo menos em linha com o valor patrimonial.

 

Era isso, valeu!

Breno Bonani.

Acompanhe outros conteúdos no Twitter: @Breno_Bonani  Instagram: @bonani_ Linkedin: Breno Bonani

Disclaimer
Os relatórios e/ou em qualquer conteúdo de análise e recomendação providos pelo Bugg possuem 
caráter meramente informativo e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o 
usuário a tomar sua própria decisão de investimento, não devendo ser considerado como uma 
oferta para compra ou venda de ativos. Os editores responsáveis pela elaboração deste relatório
declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/18,que as recomendações do relatório refletem única
e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente. Além disso,
os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os 
investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento,a situação
financeira ou as necessidades específicas de um determinado investidor. A decisão final em 
relação aos investimentos deve ser tomada por cada investidor, levando em consideração os 
vários riscos,tarifas e comissões.

 

2 comments

  • Tu e fera Breno, obrigado relatório excelente e muito bem explicado. Tem carregado ela a um tempinho, foco nos resultados agora rs

  • Excelente! Novidade para mim também, não conhecia a empresa (apesar de conhecer 2 marcas).
    Algo que me preocupa, sobretudo em tempos de COVID-19 e para empresas alavancadas, é o fluxo de caixa. Será que há folga suficiente para atravessar a crise ou pode ser necessário outra chamada de capital?

Leave a Reply