Resultado Banco do Brasil (BBAS3) 1T20 – AINDA VEJO OPORTUNIDADES!

Brasil, Empresas
Tempo de leitura: 11 min

O resultado do Banco do Brasil foi bom (que fique claro). A banco teve o bottom line do seu resultado impactado por uma PDD maior devido aos impactos que o Covid-19 está trazendo para a economia.

Porém, ele já estava antes do Covid apresentando um resultado operacional e de rentabilidade muito bom, um dos melhores historicamente. Entra nesse novo cenário com um colchão para se defender e com um perfil de crédito mais defensivo.

Vamos ao que interessa!

É ESTATAL, MAS NÃO É RUIM

Fonte: Release Banco do Brasil 1T20

Podemos ver de início que a Margem Financeira do BB cresceu 10% vs 1T19, indicando uma melhora operacional por parte do banco em conseguir receita. Porém, tal qual como foi Bradesco e Itaú, o PDD ou PCLD Ampliada (tanto faz) impactou fortemente o resultado.

Por isso, temos um Lucro Líquido 20% menor quando comparado com o mesmo período anterior. Olhem essa composição do Lucro Líquido a seguir:

Fonte: Apresentação Banco do Brasil 1T20

 

É possível notar que o PDD foi bem grande e impactou diretamente o bottom line do banco. Assim como eu estava comentando em Bradesco, o BB fez uma provisão muito maior por conta dos impactos que o Covid-19 trouxe para esse novo cenário.

Gostaria de informar também que o banco comunicou que grande parte da provisão já foi feita no 1T20 e que até o final do ano devemos ver uma provisão com uma grandeza bem menor que a vista neste resultado. Basta olhar o guidance do BB para entender:

Fonte: Apresentação Banco do Brasil 1T20

As provisões adicionais foram na ordem de R$ 2 bilhões. Gerando assim, uma PCLD ampliada de R$ 5,5 bilhões com alta de 63,3% vs 1T19. Vale ressaltar, que nem tudo que está provisionado neste caso já é dado como “certo”. Parte do PDD ou grande parte pode ser revertida no próximo trimestre via pagamentos ou renegociações e voltam para a companhia como recuperação de crédito.

Mas tirando esse item pontual que foi o responsável por deixar o resultado mais feio. Eu vi outros pontos positivos sobre o banco e reforço minhas palavras de que é estatal, mas não é ruim.

O BB passou por uma nova administração nos últimos anos que está mais focada em entregar resultados e mostrar que sabe fazer um bom trabalho. Não obstante, a MFB (Margem Financeira Bruta) cresceu 9,9% e atingiu R$ 14 bilhões. Mesmo com queda de mais de 30% na taxa de juros do país.

Carteira de crédito ampliada, cresceu 5,8% vs 1T19. Sendo que a carteira de governo e pessoa física impulsionaram esse resultado (MPME e PF cresceram 12% e 9% respectivamente).

Carteira pessoa física cresceu 9,6%, com crescimento de consignado de 16,4% e Empréstimo Pessoal de 36%, sendo 41,5% desses empréstimos contratados via app! Olha o bancão estatal antigo surfando nas novas tecnologias!!

Já no agronegócio, agroindustrial tem decrescido e o rural tem crescido. Eles têm um Market Share (fatia de mercado) de 64% no empréstimo rural e o destaque da carteira é principalmente no CPR e garantias que cresceram 60% e 80% foi contratado via app. Reforçando o esforço do digital e as inovações que o BB tem trazido a cada trimestre.

Para finalizar essa parte, rendas de prestação de serviço cresceu 4% no geral quando comparados ao mesmo período anterior. Destaque para Consórcios e Seguros/Previdência, que cresceram 19,2% e 15,3% respectivamente.

Fonte: Apresentação Banco do Brasil 1T20

 

Indo para os índices de inadimplência, cobertura e NPL Creation

Fonte: Release Banco do Brasil 1T20

 

O Índice de Inadimplência 90 dias caiu, mas no segmento de PF aumentou, o Índice de Cobertura em PF ficou de lado.

Fonte: Release Banco do Brasil 1T20

 

Já o NPL CREATION, teve aumento por conta do comportamento da carteira de PF. O NPL nada mais é que um índice que mede os “ativos não produtivos de juros” do banco, são empréstimos ou financiamentos que não são honrados. Esse índice também piora com o aumento da inadimplência e diz respeito aos ativos da companhia, pois, empréstimos e financiamentos são onerosos para o banco.

No geral, fico mais tranquilizado em relação ao Banco do Brasil. Não vimos uma deterioração desses indicadores ainda. Tudo isso reforça a boa gestão que o BB vem tendo.

 

COVID-19 E O BANCO COM ISSO?

O BB já veio de um “modo crise on”… Lições aprendidas de cenários anteriores fizeram ele passar com mais resiliência esse novo cenário. Acho que isso fica muito claro com o crescimento de várias linhas dele e com uma boa gestão na inadimplência, o que faz com que somente o PDD por enquanto, seja o grande vilão nos resultados.

O Banco do Brasil, desde o início da pandemia, tomou medidas para garantir o melhor atendimento a todos os clientes, ao mesmo tempo em que preza pela saúde e segurança de seus funcionários. A estratégia digital garantiu a ampliação do atendimento remoto com portfólio completo de serviços.

Com o objetivo de minimizar os impactos momentâneos do atual cenário de pandemia, foi oferecida aos clientes a possibilidade de repactuar por 60 dias, para empresas, e por até 180 dias, para pessoas físicas, o pagamento de dívidas que vencem nos próximos meses.

O BB manteve até R$ 100 bilhões para linhas de crédito voltadas para pessoas físicas (R$ 24 bilhões), empresas (R$ 48 bilhões), agronegócio (R$ 25 bilhões), além de suprimentos na área de saúde por prefeituras e governos (R$ 3 bilhões). Os recursos visam reforçar as linhas de crédito já existentes, principalmente as voltadas para crédito pessoal e capital de giro.

Para as MPME, o desembolso de recursos totalizou R$ 25,8 bilhões, principalmente para linhas de antecipação de recebíveis e de capital de giro, sendo R$ 3,6 bilhões em crédito novo e R$ 22,1 bilhões em renovações e prorrogações. Para as grandes empresas, o desembolso totalizou R$ 35,5 bilhões.

O presidente do BB disse ainda que, além do aumento do PDD, teve adiada a venda de participações do BB em negócios futuros, assim como, o programa de desinvestimentos. Porém, A joint venture com o suíço UBS em banco de investimento deve começar a valer no segundo semestre deste ano, como previsto, mas com volume de negócios fraco por enquanto.

Por fim, quem está preocupado com a distribuição de dividendos, o banco comentou que vai continuar pagando o mínimo de 25% estabelecido em seu estatuto (isso vai dar aproximadamente uns 6% de DY, levando em consideração o LL Ajustado de 12 meses).

 

MEU OUTLOOK PARA BBAS3

Tirando o PDD extraordinário que deve ser menor nos próximos trimestres e ainda vejo espaço para o banco atuar de forma inteligente e reverter uma boa parcela. O BB apresentou um resultado bem bacana em várias linhas de negócios e cresceu bem no digital, apresentando várias melhoras em seu aplicativo mobile.

É um banco que já está mais resiliente em relações a crises e acredito que se não houver nenhuma intervenção por conta do governo que tire o foco do banco em entregar um resultado cada vez melhor ao acionista, não tem por que o banco continuar nesses preços.

Seu valuation continua bastante atrativo para mim, já era antes de estar nesses níveis, nesses níveis então…

O banco já estava para trás dos demais antes dessa crise toda e eu já o considerava bastante atraente! Agora ele está negociando a um desconto frente ao seu valor patrimonial e apenas 5x lucros para 2020. Além disso, acredito que o BB deve encerrar o ano com um ROE de 13%, um pouco parecido com os seus pares privados.

Notem como o P/L também está abaixo de 1 desvio padrão nos últimos 10 anos:

Fonte: Economatica e Bugg

 

Assim como o P/VPA:

Fonte: Economatica e Bugg

 

Logo, vejo muito espaço para o banco se valorizar e na minha opinião acho justo o banco negociar no mínimo a 50 reais, o que implicaria em um upside de 84,5% frente ao preço de 27,10.

 

Era isso, valeu!

 

 

Breno Bonani.

Acompanhe outros conteúdos no Twitter: @Breno_Bonani  Instagram: @bonani_ Linkedin: Breno Bonani

Disclaimer
Os relatórios e/ou em qualquer conteúdo de análise e recomendação providos pelo Bugg possuem 
caráter meramente informativo e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o 
usuário a tomar sua própria decisão de investimento, não devendo ser considerado como uma 
oferta para compra ou venda de ativos. Os editores responsáveis pela elaboração deste relatório
declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/18,que as recomendações do relatório refletem única
e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente. Além disso,
os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os 
investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento,a situação
financeira ou as necessidades específicas de um determinado investidor. A decisão final em 
relação aos investimentos deve ser tomada por cada investidor, levando em consideração os 
vários riscos,tarifas e comissões.

 

2 comments

  • Me tira uma duvida, o PDD não é somente um provisionamento? Esse pagamento ou renegociação citatos no texto se referem a que tipo de operação? Na pratica para onde vai essa aba de despesa? Reduz a divida subordinada, compra de titulos.
    Se pudesse dar um norte em relação a isso ficaria muito grato.
    Obrigado

  • Banco nunca se deu mal neste país desde o descobrimento, mas tem projeto de lei no forno pra acabar com a festa. O que vc acha a respeito? Obrigado

Leave a Reply