Onde está alocado meu caixa hoje? Um ativo que tem brilhado nos últimos tempos!

Bolsas, Brasil, Curiosidades
Tempo de leitura: 18 min

Não pretendo fazer nenhuma futurologia sobre o que vai acontecer, mas simplesmente passar aquilo que eu tenho visto e o que eu tenho levado para minha tese de alocação. Se vai acontecer ou não, ninguém sabe (até acontecer rs).

Acho válido começar comentando a minha atual exposição a determinados ativos… Estou 60% comprado em bolsa ainda, em algumas empresas nos quais eu consegui comprar a preços mais atraentes na última queda e algumas que ficaram na minha carteira e eu tenho intenção de continuar com elas mesmo após a queda (algumas até já se recuperaram na minha carteira).

Já no restante da minha carteira (40%), estou com ele como “caixa”. Mas não deixei em crédito privado, não quero ter a infelicidade do que ocorreu antes e nem acho válido deixar na LFT. Na minha cabeça, eu poderia aplicar ele de maneira mais “inteligente” e foi então que eu comprei todo meu caixa em ouro.

E POR QUE OURO?

Fonte: Economatica e Bugg

 

Esse ativo já vinha performando bem ou quase em linha do Ibovespa a 2 anos e esse ano se mostrou uma excelente aposta. Isso me deixou meio intrigado… por que um ativo em que as pessoas historicamente se expõem mais quando estão mais receosas, estariam comprando cada vez mais nos últimos anos?

Ouro tem subido mesmo com a alta do S&P500 nos últimos tempos, o que tem gerado uma grande desconexão entre os ativos. Olhando para os 3 índices de bolsa dos EUA e seus múltiplos, eles parecem indicar recessão curta e recuperação rápida de lucros (estamos vendo sair dados de desemprego e de piora de alguns indicadores econômicos mas bolsa continua subindo, por que muitos agentes e analistas do mercado já tinham noção do estrago e acreditam nessa tese de recuperação mais rápida).

Porém, por outro lado, os ativos de “safity” como ouro, indicam recessão na ponta longa… Essa desconexão entre presente e futuro recai sobre o que acontece/aconteceu historicamente em outras épocas.

POR QUE OURO (part2)?

Essa tese não é totalmente minha, mas eu compartilho de muitas das ideias que foram tiradas do ilustre Ray Dalio em um de seus artigos chamado “Money, Credit, Debt and Economic Activity”. Aqui eu vou tentar ser bem didático mas infelizmente é um texto mais “lento”, porém, necessário para entender parte do meu racional.

Primeiro, o dinheiro (cash) está passando por uma mudança e ao invés de analisarmos todo o ciclo aqui, vou tentar explicar por que o Ray acha que o Dólar, Iene e o Euro estão nos estágios finais como “moeda de reservas”.

Ele acredita que essas 3 moedas já estão atingindo o seu ápice no ciclo de dívida de longo prazo, quando as dívidas contidas nelas são muito altas, as compensações na taxa de juros pela manutenção desses ativos em dívida são baixos e grandes quantias de novas dívidas denominadas estão sendo criadas e renovadas – isso tudo converge para circunstâncias de maiores riscos. Além disso, segundo ele, o evento de desvalorização/perda do status de moeda de reserva seriam o evento econômico mais perturbador que poderíamos imaginar.

No mundo existem duas economias, a real e a financeira, que estão entrelaçadas, mas são diferentes. Cada uma tem uma dinâmica própria de oferta e demanda. Nosso foco vai ser na financeira para tentar entender o que determina o valor do dinheiro.

Imprimir e desvalorizar dinheiro é a maneira mais fácil de sair de uma crise de dívida.

Muitas pessoas pensam que dinheiro é um objeto “permanente” e que é um ativo seguro de se ter mantido, e isso não é verdade. No fim do dia, todas as moedas se desvalorizam com o tempo ou até mesmo deixam de existir. Isso ocorre porque imprimir moeda e desvalorizar a dívida é a maneira conveniente de reduzir ou eliminar os encargos da dívida (quando isso ocorre, os ciclos de expansão de crédito começam a ocorrer novamente).

Existem 4 alavancas que podem ser usadas para reduzir os níveis de dívida e serviço da dívida em relação aos níveis de renda e fluxo de caixa necessários para pagar as dívidas:

  • Austeridade (gastando menos)
  • Inadimplência e reestruturações
  • Taxando os mais ricos (aumento de impostos)
  • Imprimindo dinheiro e desvalorizando-o

Vamos ser sensatos… Austeridade é deflacionária e não dura muito, porque é muito dolorosa de se fazer por um longo período.

A Inadimplência e Reestruturações da dívida também são deflacionárias e dolorosas, porque dívidas são exterminadas ou reduzidas em valor e essas dívidas são ativos para alguém, seus ativos foram retirados ou reduzidos o que complica para o lado do credor que tem que honrar também com suas obrigações.

Taxar os ricos… Pode até ser, mas é politicamente desafiador, é tolerável e geralmente faz parte da solução. Em comparação a todos os outros, imprimir dinheiro e desvalorizá-lo vai ser a melhor opção usada pelos Bancos Centrais. Uma vez que não parece ruim para ninguém certo? Você está oferecendo mais dinheiro, ajuda a aliviar a dívidas de milhões e na maioria dos casos, faz com que os ativos que as pessoas usam para “medir riqueza” subam em cima da moeda depreciada e cria essa mentalidade artificial de que estão ficando mais “ricas”.

E isso está acontecendo neste exato momento, no qual tivemos mais uma enxurrada de liquidez sendo colocada na economia. Observe que você não vê ninguém reclamando dessa criação de dinheiro e crédito, e de fato, muitas pessoas acham até pouco o dinheiro criado.

Muitas pessoas não entendem que o governo é nós coletivamente e não uma entidade rica e no fim do dia, alguém tem que pagar por isso. Imagine como teria sido se os funcionários do governo cortassem suas despesas para equilibrar seus orçamentos e pedissem para pessoas gastarem menos e pouparem mais e ao mesmo tempo taxasse os mais ricos, oferecendo uma distribuição de riqueza na sociedade.

A maioria das pessoas não presta atenção ou sabe dos riscos cambiais. A maioria se preocupa se o ativo vai subir ou vai cair, se está aumentando de valor ou não… Você está mais preocupada com a performance das suas ações do que em relação a outras moedas? Ray Dalio diz que se você está preocupado mais com ações, você não sabe do seu risco cambial.

Vamos explorar um pouco disso. Das 750 moedas que existem desde 1700 apenas 20% permanecem hoje e as que permaneceram foram desvalorizadas. Em 1850, as principais moedas não se pareciam com as de hoje. Enquanto dólar, a libra e o franco suíço já existiam na época, a maioria dos outros era diferente e desde então foram morrendo. Em 1850, na atual Alemanha, você usaria o Gulden ou o Thaler. Não existiam Ienes, então no Japão, você teria que usar o Koban ou o Ryo. Na Itália, você usaria umas cinco ou mais moedas… Até outro dia, no Brasil a gente teve oito moedas antes do real (tenha isso em mente, oito moedas).

Contra o que elas se desvalorizam?

Segundo Ray Dalio, a coisa mais importante para as moedas se desvalorizarem é a dívida. Isso ocorre porque imprimir dinheiro é reduzir os encargos da dívida. Você está dando dinheiro a quem precisava antes para honrar suas obrigações e agora está diminuindo o peso da dívida. Porém, aumento na oferta de dinheiro e crédito diminui o valor do dinheiro e do crédito…

Existem casos em que o alívio de dívida facilita os fluxos desse dinheiro para empresas, a fim de aumentar produtividade, consequentemente, seus lucros. Isso resultaria em um aumento real nos preços das ações. E existem casos em que isso prejudica suficientemente os retornos reais e prospectivos do “dinheiro” e dos ativos da dívida, de modo a impulsionar os fluxos desse dinheiro para ativos de hedge (proteção) contra inflação e moedas, isso leva a um declínio quase que automático no valor do dinheiro.

Vejam bem, em momentos que o Banco Central se encontra com duas opções: a) permitir que as taxas de juros reais (taxa de juros menos inflação) subam em detrimento da nuances da economia ou b) impedir que as taxas de juros subam imprimindo dinheiro e comprando em dinheiro esses ativos e dívidas. Eles escolherão o segundo sem hesitar, o que reforça os maus retornos do “dinheiro”.

Sendo assim, fica claro que existem dois tipos desvalorizações, uma que é sistematicamente benéfica (embora seja dolorida para detentores de dívida e dinheiro) e as sistematicamente destrutivas, no qual irão danificar o sistema de alocação de crédito/capital, não trazendo uma nova ordem monetária.

Para finalizar, vou apresentar o valor de moedas em relação ao ouro e ao CPI (índice de preços ao consumidor). Porque o ouro tem sido a moeda alternativa atemporal e universal e porque o dinheiro é destinado a compra de bens e serviços, logo, é de suma importância para seu poder de compra.

Em relação ao ouro:

O gráfico acima mostra os retornos em moeda (spot) das três principais (Azul: Dólar, Preto: Libra Esterlina, Laranja: Euro) moedas de reserva em relação ao ouro desde 1600. Notem que o retorno em relação ao ouro já atingiu 0%.

Outro dado interessante, é que as quedas geralmente são abruptas, em períodos de crise financeiras, abaixo o retorno contra uma cesta de moedas (notem as quedas bruscas nos períodos de 1920-1930, novamente na segunda guerra mundial e depois em 1970-1980 com a grande inflação e o fim do tratado do Bretton Woods).

Olhem agora essa tabela, ela mostra o retorno real do ouro vs o CPI (Inflação do Consumidor) desde 1850.

Somente durante 1850-1912 você teria ganho do ouro. Mas a gente vive nesta época? Não… 1912 até hoje, você teria conseguido um retorno real somente em alguns países, na média você seria duramente derrotado, e em alguns países você seria massacrado (como Alemanha, França e Itália).

Para finalizar, o próximo gráfico mostra o valor da moeda monetária e seus retornos frente a uma cesta de bens e serviços CPI, mostrando a mudança de poder de compra. Como vocês irão ver, houve muitos altos e baixos após as duas primeiras guerras mundiais.

Cerca de metade das moedas tiveram um retorno acima da inflação, na outra metade, tiveram um retorno real bem ruim. Em outras palavras, a história mostrou que há riscos muito grandes em manter a moeda monetária como estoque de “riqueza” no longo prazo, especialmente no fim de ciclos de dívida.

Então o que você está sugerindo Breno? Para ficarmos atentos, apenas isso.

Em resumo: Como explicado anteriormente, quando os bancos centrais aumentam a oferta de moeda e crédito, isso reduz o valor da moeda e do crédito. Isso é ruim para os detentores de dinheiro e crédito, mas é um alívio para os encargos da dívida. Quando esse alívio da dívida permite que dinheiro e crédito fluam em produtividade e lucros para as empresas, os preços reais das ações aumentam. Mas também pode prejudicar os retornos reais e prospectivos de “dinheiro” e ativos de dívida o suficiente para expulsar as pessoas desses ativos e levá-los a ativos de hedge (proteção) de inflação e outras moedas. Isso deixa o banco central diante da opção de permitir que as taxas de juros reais subam em detrimento da economia ou impedir que as taxas subam imprimindo dinheiro e comprando esses ativos em dinheiro e dívida. Inevitavelmente, eles seguirão o segundo caminho, que reforça os maus retornos da posse de “dinheiro” e desses ativos de dívida.

Sendo assim, por isso eu resolvi me expor ao ouro. Eu acredito que toda essa injeção de liquidez tenha uma consequência no médio prazo. No passado, os Holandeses viram o colapso do Florim de maneira massiva e rápida, ocorrendo em menos de uma década, com a circulação de Florins caindo rapidamente no final da Quarta Guerra Anglo-Holandesa. Esse declínio ocorreu quando os Holandeses perderam uma grande guerra para os Britânicos e posteriormente sofreram muitas invasões dos Franceses.

Já os britânicos, os declínios foram mais graduais, foram necessárias duas valorizações antes de perder completamente o status de moeda de reserva. No caso dos EUA, houve duas grandes desvalorizações (1933 e 1971) e outras graduais contra o ouro desde 2000, mas ainda não custaram os EUA seu status de moeda reserva.

Mas para vocês dormirem pensativos… Normalmente, como um país perde sua posição de moeda reserva?

  1. Quando já existe uma perda estabelecida de primazia econômica e política de um rival em ascensão que cria uma vulnerabilidade (por exemplo, Holandeses ficando atrás do Reino Unido, Reino Unido ficando atrás dos EUA, EUA ficando atrás da _ _ _ _ _ rs).
  2. Quando existem dívidas grandes e crescentes que são monetizadas pelo Banco Central imprimindo dinheiro e comprando dívida do governo e outros títulos.
  3. O que leva a um enfraquecimento da moeda, em uma tentativa auto reforçada da moeda que não pode ser interrompida porque os impostos e os déficits da balança de pagamentos são grandes demais para fecharem.

Será que estamos vendo algo parecido? Pensem.

 

Ps: Existem outras formas de se expor ao ouro também… OZ1D ou OZ2D não é lá a melhor forma, fiz por comodidade mesmo. Mas o que eu considero mais interessante, até pela liquidez ser melhor, seria investir lá fora. Hoje é possível fazer isso via Avenue Securities e investir em ETF’s como o IAU – iShares Gold Trust ETF e o GLD – SPDR Gold Shares.

 

Era isso, valeu!

 

 

Breno Bonani.

Acompanhe outros conteúdos no Twitter: @Breno_Bonani  Instagram: @bonani_ Linkedin: Breno Bonani

Disclaimer
Os relatórios e/ou em qualquer conteúdo de análise e recomendação providos pelo Bugg possuem 
caráter meramente informativo e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o 
usuário a tomar sua própria decisão de investimento, não devendo ser considerado como uma 
oferta para compra ou venda de ativos. Os editores responsáveis pela elaboração deste relatório
declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/18,que as recomendações do relatório refletem única
e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente. Além disso,
os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os 
investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento,a situação
financeira ou as necessidades específicas de um determinado investidor. A decisão final em 
relação aos investimentos deve ser tomada por cada investidor, levando em consideração os 
vários riscos,tarifas e comissões.

 

5 comments

  • Olá Breno, muito interessante e legal sobre o ouro! parabéns!
    Sim, os BCs dos países estão inundando o mundo com dinheiro e muitos desses recursos irão pro ouro!
    Percebi isso, e já tenho aplicado faz alguns meses no fundo Trend ouro-dólar e no ano esse fundo já rendeu líquido 60,04%!
    Esses ETFs citados, estão alcançando quanto de rentabilidade?
    Abs.

  • Otimas reflexões obrigado. Tem outro ETF de ouro que faltou falar: SGOL que investe em ouro físico. Guardo uma economia lá através da Avenue e já rendeu 16% sem contar o ganho em dólar. Não sei até onde isso de fato importa, mas me sinto mais seguro sabendo que as barras estão lá no cofre do SGOL. Não sei se os outros ETFs tem o metal ou simulam o seu preço. Gostaria de saber mais sobre esse assunto caso se disponha a explorar esse mundo dos tipos de ETFs lastreados no ouro. Ajuda nós aí Breno 🙂

  • Breno muito legal o conteúdo. Caso eu vier a ter minha parcela de caixa em ouro via fundos, seguindo a mesma linha de raciocínio, você acha que é melhor em fundo dolarizado ou não ?

  • Grd Breno eu tbm estou em IAU pq acredito que Ou teremos um W ou um L , é irracional o Mercado americano estar subindo está descolado da economia real, e o Brasil…bem É o Brasil de sempre (infelizmente, algo que possa dar errado dará Murph qdo fez essa Lei pensou no Brasil). Vou aumentar a posição em Ouro e tbm um pouco em Prata nunca o Racio esteve tão desfavorável a Prata , teoricamente tem que ter uma correção ( bem teoricamente mesmo pois o mercado está totalmente disfuncional).

  • Nesse mesmo raciocínio você não acha que o Bitcoin não merece uma parcela do portfólio? Tipo 1% pelo menos?

Leave a Reply