20200601 – PODCAST BOM DIA USA: Protestos, China versus US e os REITS em destaque

Podcasts
Tempo de leitura: 9 min

E para quem gosta de ler, aí está a transcrição do podcast. Esse é um podcast destinado aos clientes da Avenue. O texto aqui é apenas uma transcrição e Tais comentários não devem ser visto como qualquer tipo de recomendação de investimentos. 

**ONTEM**

Gosto de começar a semana sempre relembrando onde paramos. Na sexta amanhecemos apreensivos com a coletiva do presidente Trump sobre a China e potenciais novas sanções comerciais contra China. Isso é o que o mercado esperava. Tivemos um discurso duro, mas sem medidas mais punitivas contra a China, o que trouxe certo alívio ao mercado que se recuperou e fechou na máxima.

  • Dow: -0.07%
  • S&P: +0.48%…no mês +4.55%, marcando o segundo mês consecutivo de alta e uma recuperação de quase 30% desde a mínima atingida em 23 de março.
  • Nasdaq: +1.29%…no mês 6.78%
  • Setores: Lembram que comentei que sanções e as discussões comerciais entre os 2 países tem impacto especial no setor de tecnologia…não havendo novas medidas abriu-se espaço pra uma recuperação das empresas de tecnologia….isso explica a melhor performance do Nasdaq. Entre as altas destaque para ele, o setor de tecnologia (XLK +1.49%) e de utilidades públicas (XLU +1.37). Já os setores imobiliário (XLRE -0.57%) e industrial (XLI -0.43%) foram os negativos. No mês o setor de biotecnologia (XBI) foi o destaque de alta +8.1% ; e Exploração de petróleo foi o destaque negativo XOP -3.4%.

Sobre as medidas e o discurso de Trump, vale destaque para o anuncio de que tomará medidas para revogar o tratamento especial concedido a Hong Kong em resposta a aprovação pelo congresso Chinês da Lei de segurança, o que pode culminar com saída de capital da região administrativa especial.

∙ 6 semanas após suspender verba dos EUA para a OMS (Organização Mundial de Saúde), Donald Trump encerrou as relações do país com a organização, afirmando que a OMS foi pressionada pela China a dar direcionamento equivocado sobre a pandemia.

  • Petróleo: WTI Julho +5.28% a $35.49/barril (no mês subiu 88.4%). Apesar de ter registrado a melhor performance mensal histórica, o WTI ainda acumula queda de 41.9% em 2020.
  • Dólar: na sexta, moeda caiu 0,83%, a R$ 5,3364, e acumulando queda de 4,44% na semana e 1,90% em maio, sendo a primeira desvalorização mensal do dólar no ano.

 

**HOJE**

Hoje amanhacemos sobre a égide das manifestações e protestos aqui nos EUA, já comento sobre isso. No entanto, na Ásia os mercados “celebraram” a falta de novas medidas no discurso de Trump. Além disso, tivemos um dado de atividade, uma pesquisa privada que mede a atividade da indústria, mostrando expansão no mês de maio, surpreendendo e vindo acima do esperado pelo mercado.

  • Asia: HK +3.3%, China +2.2%, Índia +3.1%, Cingapura +1.7%.
  • Europa: todas bolsas em território positivo com exceção da Alemanha onde o dado de atividade da indústria mostrou nova contração acima do esperado pelo mercado.
  • Futuros americanos apontam para quedas entre 0.2% e 0.4%. Pesam no sentimento 2 fatores:
  • Para entender. Diversas cidades impuseram toque de recolher por conta de protestos que se espalharam pelo país pela morte de um homem negro, George Floyd, sob custódia policial. A maioria dos protestos começou pacificamente – e vários permaneceram pacíficos. Mas em um grande número de casos, manifestantes entraram em conflito com a polícia, incendiaram carros da polícia, vandalizaram propriedades ou saquearam lojas. Além de socialmente lamentável (todos os fatos dessa narrativa), acaba sendo munição a China criticar os EUA, num momento onde os EUA vinha criticando a China pela lei de segurança que gerou manifestações contrárias em Hong Kong.
  • A Bloomberg News informou que a China disse às empresas estatais que interrompessem as compras de produtos norte-americanos, incluindo soja. A medida obviamente eleva o risco de mais tensões entre os dois países e coloca em risco o acordo comercial da primeira fase.

 

**DESTAQUES**

REITS

Toda segunda enviamos um email para todos clientes com uma visão da semana, um resumo e alguns comentários. Vou aqui chamar atenção para o mercado de REITS. Na semana passada tivemos o dado de vendas de casas novas nos EUA que veio acima do esperado e ajudou as ações do setor imobiliário.

Como exemplo, o Vanguard Real Estate ETF (VNQ) maior ETF do segmento, teve uma valorização de mais de 7% na semana – este é um ETF para quem quer uma exposição mais geral e completa do mercado imobiliário. Frente as mínimas de março, o setor como um todo já acumula alta de mais de 37% (performance do índice MSCI US REIT de 23/03 a 28/05). Apesar da recuperação, essa não foi igual entre os diferentes segmentos do setor imobiliário.

Os REITs residenciais e industriais tiveram uma performance destacada, em grande parte devido aos esforços de estímulo do governo federal e à reabertura da economia. O maior REIT focado em residências é o Equity Residencials (EQR) que ainda acumula queda de 25% no ano, mas outros como o Sun Communities (SUN) com ~$14BI de Market cap sobe 11% no ano. Entre os ligados a indústria, o Prologis (PLD) é o maior com quase $70BI de valor de mercado e alta de 3% no ano. Outro conhecido é o Duke Realty Corporation (DRE) com ~$13BI de Market cap e sobe 15% no ano.

Já os REITs de varejo e escritório ainda sofrem por conta do momento difícil vivido por muitas empresas de varejo e com o receio de que a demanda por escritórios caia daqui para frente – Facebook e Twitter por exemplo já anunciaram planos de reduzir suas posições e necessidade de escritórios. Os 2 maiores REITs de varejo eu já comentei aqui são o Simon Property Group (SPG) e o Realty Income (O) com valores de mercado próximos a $20BI. Eles caem 61% e 25% no ano respectivamente. Entre os de escritórios o Boston Properties (BXP) é um dos maiores com ~$14 BI de valor de mercado e queda 37% no ano. Outros 2 que merece destaques é o Vornado Realty Trust (VNO) e o SL Green Realty (SLG). Ambos concentrados na cidade de NY foram particularmente atingidos, perdendo mais da metade do valor entre e ainda não recuperaram muito. Algumas notícias e boatos dão conta de que o Facebook (FB) estaria se aproximando de um acordo para arrendar o prédio da Farley Post Office em Nova York. O edifício é de propriedade do Vornado.

Já na ponta de risco vimos alguns REITS ligados a indústria de cassinos e hotéis saltarem nos últimos 2 meses … na linha daquilo que comentei semana passada de rotação entre setores. Vou citar alguns aqui. VICI Properties (VICI) com alta e mais de 70% da mínima, mas que ainda cai 25% no ano; MGM Growth Properties (MGP) cai 10% no ano mas já subiu mais de 100% e o Gaming & Leisure Properties (GLPI) que cai 18% no ano, mas se valorizou 120% desde a mínima.

 

Era isso.
Aquele Abs.

Twitter: @willcastroalves
Instagram: @willcastroalves
Linkedin: William Castro Alves

Disclaimer: O conteúdo deste podcast é apenas para fins informativos, não serve como recomendação de compra ou venda de qualquer título na Avenue ou em qualquer outra conta. Ele também não é uma oferta ou venda de um título. Também não são relatórios de pesquisa e não servem como base para qualquer decisão de investimento. Todos os investimentos envolvem riscos e o desempenho passado não garante resultados ou retornos futuros.

Leave a Reply