Resultado JBS (JBSS3) 1T20 – Continua melhorando

Brasil, Empresas
Tempo de leitura: 14 min

Apesar da queima de caixa por conta da sazonalidade e do prejuízo devido a variação cambial (no qual eu vou explicar melhor sobre isso), o resultado da companhia foi bom e teve muitas melhoras.

 

QUADRO DE DESTAQUES

Fonte: Release JBS 1T20

 

A companhia encerrou o trimestre com uma Receita Líquida de R$ 56,5 bilhões, alta de 27,3% vs 1T19. Houve crescimento no Lucro Bruto de 24,6% em comparação ao 1T19, com EBITDA Ajustado de R$ 3,9 bilhões e alta de 22,6% vs 1T19 com margem de 7%.

Forte geração de caixa operacional de novo, 43% de alta vs 1T19. Alavancagem da companhia caiu para 2,17x em dólares e 2,77x em reais (é o EV/EBITDA neste caso).

Para quem não lembra, eu comentei no 4T19 que a melhora no Lucro Líquido do ano de 2019 se deu por uma melhora operacional mesmo com uma melhora nas receitas financeiras. JBS soube fazer uma boa gestão dos ganhos e perdas de suas operações. Quem quiser entender melhor o final de 2019 antes de começar a entender 2020, eu sugiro ler no link abaixo:

RESULTADO JBS (JBSS3) 4T19 – Frigoríficos na carteira e carne na churrasqueira!

 

Voltando ao resultado. O que chamou a atenção de quem olhou para o resultado da companhia foi isso aqui:

Fonte: Release JBS 1T20

 

A JBS apresentou um Resultado Financeiro Líquido de menos R$ 9 bilhões. O que fez com que o Resultado antes do IR e CS fosse negativo, assim como o Lucro Líquido que virou um prejuízo de R$ 5,9 bilhões.

Vamos entender como isso aconteceu. Dentro de Resultado Financeiro Líquido o que aconteceu foi o seguinte:

Fonte: Release JBS 1T20

 

Houve uma variação cambial absurda em cima do resultado da empresa, com alta de 4674,4% vs 1T19. Isso acontece por conta da exposição da dívida da JBS que hoje está atrelada em cerca de 94% ao dólar.

Fonte: Release JBS 1T20

 

Logo, o que aconteceu foi é que quando você tem grande parte da sua dívida em dólar, segundo as normas vigentes de variação cambial de ativos e passivos, essa variação entra no resultado da companhia como uma “despesa”. Sendo assim, com a alta do dólar, isso fez com que a despesa também crescesse muito. Aí acontece isso, transforma um possível lucro em prejuízo.

O dólar se apreciar em relação a nossa moeda é bom para ela, já que 75% da sua receita vem do exterior, mas se você tem uma dívida atrelada ao dólar, quando ela volta para o resultado da companhia é ruim também, por isso aconteceu esse prejuízo.

Então, podemos concluir que o prejuízo não se deu por piora operacional da companhia e sim por um evento que é normal quando se tem dívida em dólar. Se descontar a variação cambial, a companhia teria dado um Lucro de R$ 800 milhões neste trimestre, um pouco abaixo do 1T19, mas devemos levar em conta o Covid-19 também que parou várias economias nas quais a JBS vende.

Vale ressaltar que não é porque ela tem uma dívida em dólar que é ruim também. A geração de caixa operacional cresceu bastante (43% de alta) e a despesas financeiras (trimestre contra trimestre) caíram em U$ 26 milhões. Ou seja, em linha com o que a companhia esperava quando se olha o custo médio da dívida. Esse ano, se espera uma redução em torno de U$ 100 milhões vs ano passado.

Comentando ainda sobre a dívida. Não vejo problema da companhia para honrar com suas obrigações pelos próximos anos.

Fonte: Release JBS 1T20

 

Lembrando que JBS encerrou o trimestre com 24 bilhões em disponibilidades mais linhas de créditos a sua disposição. Relação da Dívida Líquida/EBITDA continua caindo e está praticamente em linha com os demais players do setor.

Olhando para cada segmento, pode-se perceber que o segmento Seara e Brasil estão dando um show:

Fonte: Release JBS 1T20

 

Seara cresceu quase 40% vs 1T19 e JBS Brasil quase 21% vs 1T19 no quesito Receita Líquida. Olhando para o EBITDA Ajustado então, Seara cresceu 253% vs 1T19 e JBS Brasil 73% vs 1T19. Essa melhora mostra que as operações do Brasil continuam fortes aos passos que a demanda dos países asiáticos continua aquecidas. Inclusive, grande parte deste aumento não veio da valorização do dólar ante ao real, mas sim de um mix de produtos melhor.

Destaque negativo para JBS USA Pork, que cresceu receita, mas teve queda de 44% no EBITDA quando comparado com o 1T19. Porém, a empresa reportou que houve um crescimento de 56% nas exportações de porcos para a China no primeiro trimestre, o que deixa mais positivo o cenário para esse segmento ainda no resto do ano.

Sazonalmente é pior para essas divisões, JBS Beef estava enfrentando uma margem menor na Austrália também (sazonalmente fecham as plantas por lá, mas ficaram um período maior neste ano, o que também impactou negativamente). Todavia, espera-se que no segundo trimestre tanto JBS Beef quanto Pork já apresentem resultados muito melhores devido a volta de “spreads” melhores nessas divisões e por um custo menor da cabeça do gado.

 

COVID-19 E ALGUMAS NOTÍCIAS

Nesta parte eu vou comentar um pouco sobre o Covid-19 e sobre algumas notícias que afetam o curto prazo da companhia, mas que não mudam seus fundamentos no longo prazo ainda. Acho válido fazer esse comentário para muitos não se perderem nos ruídos do curto prazo e traz mais segurança quando formos olhar a companhia.

Comentei no 4T19 que existiam 3 preocupações que deixavam os investidores inquietos em relação ao case da JBS: (i) Logística; (ii) Operação das Plantas e (iii) Demanda do Consumidor.

Parece que somente a (ii) foi um pouco impactada devido ao fechamento de algumas plantas temporariamente. Essa semana agora tivemos outra interdição de uma planta da JBS em Caxias do Sul por 14 dias devido a Covid-19. Até aqui é super normal isso acontecer, o vírus realmente se espalha com mais facilidade que os demais e as paradas são temporárias, o que não afeta os resultados da companhia no médio/longo prazo (horizonte que eu julgo correto de olhar).

A companhia tem conseguido acelerar a produção em outras plantas, buscando por um equilíbrio. Tomazoni (CEO Global) comenta que assim que companhia acabar de aumentar a comunicação e os procedimentos de proteção contra o vírus, os níveis de produção deverão começar a voltar à normalidade em algumas plantas.

Em relação a logística, foi também mais desafiador para a companhia. Na parte de JBS Brasil, no primeiro trimestre a empresa comenta que houve uma dificuldade na logística para atender os mercados que tiveram uma ruptura por conta do vírus.

Porém, já estamos vendo notícias melhoras, com as exportações para a Ásia crescendo a números astronômicos novamente:

Fonte: Farmnews

 

Isso responde um pouco da Demanda. “Food Services” continua lutando, até por conta de ser um segmento mais “commoditizado” e estar passando por uma mudança. Mas no geral, parece que está melhorando bastante o cenário e a volta do consumo. A JBS ainda comentou em sua teleconferência que já normalizou suas operações logísticas para os próximos trimestres.

Por fim, tivemos recentemente uma notícia de possível Cartel de Frangos envolvendo a JBS (No caso a Pilgrim’s Pride que pertence a ela). Se de fato constatar alguma irregularidade no mercado em que ela atua, eu concordo 200% que a companhia tem que arcar com as consequências. Mas esse processo já não é de hoje e parte de uma época (2012) em que a companhia tinha outra administração.

Além disso, concorrentes de peso como Tyson Foods, Sanderson Farms e Perdue Farms foram apontadas como as formadoras. Vale ressaltar que a indústria de Frangos nos EUA é dominada por 5 players que possuem 61% do mercado de aves norte-americano. Só a Tyson, maior do país, possui 21% do mercado. Enquanto o grupo JBS via Pilgrim’s Pride possui 17% do mercado.

Acho válido esperar por conclusões mais concretas em relação as notícias expostas, não acho que muda o fundamento da companhia no médio/longo prazo. No mais, comento novamente, o que eu comentei no 4T19. A depreciação da nossa moeda, a demanda inelástica por conta da bagunça no cenário macro e a posição em que a companhia está inserida, me deixam mais tranquilizados em relação aos seus resultados futuros.

 

MEU OUTLOOK PARA JBSS3

O ano de 2020 para muitas companhias vai ser “como se não tivesse existido”. Estamos em um ano realmente singular e em alguns países ao redor do mundo, já estamos vendo uma reabertura bem mais otimista. Eu mesmo estava bastante pessimista no mundo pós-covid, sabendo que não voltaríamos a normalidade de antes, mas pelo o que eu tenho visto em outros lugares, talvez não seja tão ruim assim.

A companhia acredita que o pós-Covid, a reabertura da China e de outros países asiáticos e o impacto da Gripe Suína Africana indicam que esses lugares continuaram líderes de importação de carnes (suíne, beef e aves) por mais algum tempo.

Eu concordo com essa premissa, estamos vendo isso nos dados recentes de exportações. Além disso, o pacote: Dólar alto, cenário macro favorável para o setor e a posição em que a companhia se encontra me deixam ainda atraído pelo case.

Olhando para seus múltiplos em 2021, a JBS se encontra num valuation bem interessante e com boa margem de segurança:

 

JBS é a segunda maior produtora de proteína do mundo. Está negociando a 7,5x lucros para 2021 e 5,2x EV/EBITDA, enquanto o setor negocia a 24,5x (11,5x se ajustarmos BRFS3) e 6,7x respectivamente.

Pegando o EV/EBITDA dos últimos 9 anos, este múltiplo se encontra abaixo de 1 desvio-padrão:

Fonte: Economatica/Bugg

 

Ainda assim, vejo ela negociando a um FCFE (Fluxo de Caixa para o acionista) de 15% Yield, nada mal. Logo, acho viável pelo tamanho dela, pela melhora de resultado e por estar melhor colocada que ela negocie no mínimo a R$ 31 reais por ação (faixa azul da minha tabela). Acredito que ela consiga entregar melhores resultados nos próximos anos e que provavelmente deva negociar a um premium em relação ao setor.

Lembrando que ainda existem dois eventos que favorecem ela. Saída do BNDS e o IPO da parte Global nos EUA, que poderia destravar mais valor para a companhia.

 

 

Era isso, valeu!

 

Breno Bonani.

Acompanhe outros conteúdos no Twitter: @Breno_Bonani  Instagram: @bonani_ Linkedin: Breno Bonani

Disclaimer
Os relatórios e/ou em qualquer conteúdo de análise e recomendação providos pelo Bugg possuem 
caráter meramente informativo e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o 
usuário a tomar sua própria decisão de investimento, não devendo ser considerado como uma 
oferta para compra ou venda de ativos. Os editores responsáveis pela elaboração deste relatório
declaram, nos termos da Instrução CVM nº 598/18,que as recomendações do relatório refletem única
e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente. Além disso,
os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os 
investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento,a situação
financeira ou as necessidades específicas de um determinado investidor. A decisão final em 
relação aos investimentos deve ser tomada por cada investidor, levando em consideração os 
vários riscos,tarifas e comissões.

 

 

 

Leave a Reply