20200612 – PODCAST BOM DIA USA: Segunda onda de corona assusta mercados. E mais: ativos Brasileliros, Latam, Lululemon e PVH

Podcasts
Tempo de leitura: 9 min

E para quem gosta de ler, aí está a transcrição do podcast. Esse é um podcast destinado aos clientes da Avenue. O texto aqui é apenas uma transcrição e Tais comentários não devem ser visto como qualquer tipo de recomendação de investimentos. 

**ONTEM**

Ontem era feriado no Brasil, mas nos EUA tivemos um dia de tensão nos mercados com investidores colocando na conta algo que até então não vinha sendo colocado, ou seja, a possibilidade de uma nova onda de corona afetando a economia, por conta da escalada de casos em alguns estados que reabriram a economia – Texas, Califórnia e Flórida – conforme comentei ontem pela manhã. O temor dos investidores é que ocorra uma nova onda de contaminação do coronavírus no momento em que as principais economias ainda não se recuperaram das medidas de isolamento social impostas pelo vírus e que começaram a ser adotadas, em maior grau, a partir de março.

  • Dow: -6.9%
  • S&P: -5.9%
  • Nasdaq: -5.3%

Realizações em meio a altas é algo saudável e que faz parte dos movimentos de mercado. Mas as quedas de ontem chamaram a atenção pela magnitude, força e velocidade.

  • Setores: Nenhum setor em alta e destaque negativo para Energia/Petróleo (XLE -9.4%) e Financeiro (XLF -8.2%). Em um movimento típico de risk off os setores de Consumo não-discricionário (XLP -3.8%) e Utilidades Públicas (XLU -3.9%) foram as menores baixas. Ações ligadas à reabertura caíram pelo terceiro dia consecutivo com os principais nomes de Airlines e Cruzeiros caindo entre 14 e 17%.
  • Petróleo: WTI Agosto -8.1% a $36.57/barril com dados de estoque nos EUA vindo piores que o esperado (aumento de 5.7 milhões de barris ante uma expectativa de queda de 3.2mi) além é claro do temor de uma segunda onda de covid.
  • Corona: em relação ao corona, o número de novos casos confirmados nos EUA aumentou 1.1% para 2.01 milhões, número igual ao de ontem (1.1%) e em linha com a média semanal (1.1%). Mas os temores quanto a uma segunda onda de casos se intensificaram nos últimos dias com o aumento de casos e hospitalizações em estados como Florida, Arizona, Califórnia, Georgia e Texas.

 

**HOJE**

Os mercados tentam recuperar o fôlego após a forte queda registrada na quinta-feira.

  • Asia: índice Sanghai SE ficou praticamente estável, com pequena variação negativa de 0,04% e o Hang Seng Index, de Hong Kong, recuou 0,73%. Já o Nikkei 225, de Tóquio, registrou variação negativa de 0,75%.
  • Europa: índice Euro Stoxx sobe 1,31%, mas ainda muito longe de zerar as perdas do pregão anterior, quando a queda foi de 4,1%;França alta de 2.3%; Alemanha +1.4%. Ontem tivemos o PIB inglês que mostrou contração de 20,4% em abril na comparação com março, a maior já registrada no comparativo mensal.
  • Futuros: mostram recuperação. O do Dow Jones sobe 2,23% e o do S&P 500, 1,9%. Esses índices recuaram, na quinta-feira, 6,90% e 5,89%, respectivamente.

 

**DESTAQUES**

 

ATIVOS BRASILEIROS

Ativos brasileiros negociados no exterior sofreram forte pressão ontem. O EWZ o principal ETF de ações brasileiras caiu 7.84%. Vale lembrar que nele há um impacto de câmbio. Como assim? Como as empresas que fazem parte da carteira são listadas no Brasil, o impacto das ADRs aqui nos EUA soma-se ao impacto esperado do câmbio. Num dia como ontem se o mercadobrasileiro estivesse aberto, a bolsa certamente teria uma forte queda, mas também veríamos o dólar saltar frente ao Real, então ambos impactos acabam pesando sobre o EWZ.

Algumas ações: Petrobras -9%; Itaú -7,8%; Vale -7%; BB -10%; Azul -21,8%; Stone -10%; XP -7.65%; Pagseguro -8.54%;

Real: hoje temos um dia de recuperação nos mercados mas ontem vimos o Peso Mexicano cair mais de 3%, assim como o Rand Sul africano, então seria razoável supor uma alta de 2% a 3% no Dólar frente ao Real com a moeda americana voltando a ficar acima dos R$ 5 novamente.

 

PROTEÇÃO?

Terça fiz uma live chamando a atenção para instrumentos de proteção para eventuais quedas…citei 6 alternativas diferentes, citando diversos ativos. Não tem como eu repetir o conteúdo de uma live de 1h20 aqui em 3 minutos. Mas o racional mais importante é lembrar que não contratamos seguro do carro depois q ele bate. Da mesma forma devemos pensar em seguro enquanto as coisas vão bem e não depois de quedas como a de ontem. Ainda assim, comento alguns exemplos:

Metais: citei os metais que tradicionalmente funcionam como proteção. Ouro e prata são os principais. IAU e SLV são os principais etfs para se expor a eles. Tem outros? Tem. Mas esses são mais baratos e eficientes para tal propósito.

ETFs invertidos: Existem vários ETFs que visam gerar ganhos com as quedas de um índice, um setor, um grupo de ações, etc. Alguns exemplos: SH (short S&P), o PSQ (short Nasdaq), o DOG (short Dow);

Alavancados que replicam 2x ou 3x o movimento de um determinado índice…mas eu ressalto o elevado risco desses etfs e sua característica de investimento de curto prazo. SPXU (short S&P 3x) que subiu 17% ontem; SQQQ (short 3x Nasdaq), ou SDOW (-3x o Dow). Mas se liga porque esses etfs irão abrir hoje já caindo pois os índices apontam altas… e eles replicam 3x o movimento. Alta de 2% no índice é queda de 6% para um etf desses por exemplo.

VIX: etf que apostam no vix o chamado índice do medo, ou da volatilidade. Ontem por exemplo o VXX saltou 34%. Ressalto que assim como os alavancados ele representa elevado risco e hoje no pré mercado aponta queda de 8%.

 

LATAM

 

Para os acionistas da empresa, você continua sócio e detentor de ações dela. A questão é que ela não negocia mais na bolsa americana, mas sim em mercado de balcão. Suas cotações podem ser acompanhadas através de sites como yahoo finance. Você não conseguirá comprar ações da empresa via Avenue, mas consegue se desfazer da mesma ligando para a mesa de atendimento e realizando a venda através de um de nossos agentes.

 

2 DE VAREJO

  • Lululemon (LULU): Lululemon pode ser comparada a uma track & field, uma varejista com foco em roupas de ginástica de valor mais alto digamos assim. As ações da empresa caíram 4.7% ontem e mais 4% no after depois que a empresa divulgou seu resultado do 1T com lucro de $0.22/ação e receita de $ 652 milhões – analistas estimavam $0.23/ação e receita de $ 688 milhões. O varejista disse que teve uma queda de 17% na receita total em comparação com o ano passado. O aumento relatado em seu ecommerce de 68%, não foi suficiente para compensar o impacto causado pelo fechamento temporário de lojas decorrente da pandemia de coronavírus. A empresa vale 40BI na bolsa americana e suas ações subiam 32% no ano sendo ela uma das poucas varejistas com boa performance no ano.
  • PVH Corp (PVH): as ações da controladora da Calvin Klein caíram 6% no after depois que empresa anunciou seus resultados do 1T. A empresa reportou uma perda de $ 3,03/ação quase o dobro do que o mercado estimava; e receitas de $ 1,34 bilhão em linha com expectativas. A PVH disse que sofreu um impacto significativo do surto de Covid-19 no primeiro trimestre e que as lojas de seus clientes atacadistas ficaram fechadas por 6 semanas, em média, durante esse período. A empresa também disse que seu declínio de receita será “mais pronunciado” no segundo trimestre por causa da pandemia.

 

Era isso.
Aquele Abs.

Twitter: @willcastroalves
Instagram: @willcastroalves
Linkedin: William Castro Alves

Disclaimer: O conteúdo deste podcast é apenas para fins informativos, não serve como recomendação de compra ou venda de qualquer título na Avenue ou em qualquer outra conta. Ele também não é uma oferta ou venda de um título. Também não são relatórios de pesquisa e não servem como base para qualquer decisão de investimento. Todos os investimentos envolvem riscos e o desempenho passado não garante resultados ou retornos futuros.

Leave a Reply