20200615 – PODCAST BOM DIA USA: Dia negativo nas bolsas, resultado da Adobe e mais: começando a série “Desconhecidas e lucrativas”

Podcasts
Tempo de leitura: 9 min

E para quem gosta de ler, aí está a transcrição do podcast. Esse é um podcast destinado aos clientes da Avenue. O texto aqui é apenas uma transcrição e Tais comentários não devem ser visto como qualquer tipo de recomendação de investimentos. 

**ONTEM**

Tivemos mais um dia de forte volatilidade com o mercado oscilando bastante, mas se recuperando da queda de quinta.

  • Dow: 1.9%
  • S&P: 1.3%
  • Nasdaq: 1%

Ainda assim, na semana a bolsa americana fechou no vermelho (S&P -4.8%, DJ -2.3% e Nasdaq -1.1% respectivamente). Para aqueles que perguntam sobre as diferenças nos índices, escrevemos no email dessa semana um pouco mais sobre o Nasdaq…te permitirá conhecer um pouco mais sobre o índice.

 

O tema principal da semana foi, sem dúvida, a possibilidade de haver uma segunda onda de infecções após a reabertura econômica e fim das medidas de confinamento. Os mercados sempre tentam antecipar movimentos e como sempre exageram tanto para cima quanto para baixo. Em relação aos números do Corona ele segue relativamente em linha com a evolução já conhecida do vírus. Falando específicamente dos estados, o número de casos na Califórnia aumentaram 1.9% mostraram desaceleração em relação à média semanal de 2.3%. Número de hospitalizações no estado do Texas, um dos primeiros a reabrir a economia, voltou a subir e atingiu novo recorde … mas cabe aqui mencionar que, apesar da alta no número de hospitalizações, os número no estado ainda são bastante inferiores aos vistos em NY.

 

  • Setores: Movimento de adição de risco nas carteiras após a realização forte de quinta. Apenas um setor em queda, Utilidades Públicas (XLU -0.3%) e os grandes destaques de alta foram Imobiliário (XLRE +3.8%) e os dois que mais sofreram na semana, Energia/Petróleo (XLE +2.5%) e Financeiro (XLF +3.0%). As ações ligadas à reabertura voltaram a subir com força com os principais nomes de Airlines e Cruzeiros subindo entre 12 e 19%.
  • Petróleo: WTI Agosto -0.2% a $36.51/barril
  • Dólar…conforme eu tinha comentado na sexta, o dólar fechou em alta de 2,18% nesta sexta-feira (12), rompendo a barreira dos R$ 5. A moeda encerrou o dia cotada a R$ 5,0411..uma correção da véspera o feriado de quinta que o mercado brasileiro estava fechado.
  • Eleições: cabe aqui mencionar que o candidato democrata à presidência, Joe Biden, ultrapassa Donald Trump nas pesquisas e, também, nos mercados de apostas. Ainda é cedo para afirmar qualquer coisa, mas talvez seja reflexo dos protestos

 

**HOJE**

A semana começa com uma maior aversão ao risco por parte dos investidores, que temem os efeitos de uma segunda onda do novo coronavírus no processo de recuperação da economia global. Nos Estados Unidos, 20 estados registraram elevação no número de casos de Covid. Em Tóquio, no Japão, também foi visto um avanço dos casos no final de semana e, em Pequim (China), as autoridades locais decidiram fechar um mercado.

  • Asia: fechou com fortes quedas…Nikkei -3.5%; Cingapura -2.6% ; HK -2.1%

Na China tivemos o dado de produção industrial mostrando alta de 4%, abaixo dos 5% esperados pelo mercado; além disso o dados de vendas no varejo decepcionou caindo 2.8% ante -2% esperado.

  • Europa: bolsas na Europa caem cerca de 1% … EuroStoxx cai 1,39% e o DAX, de Frankfurt, recua 1,28%
  • Futuros: S&P -1.5%; DJ -1.7%; Nasdaq -1.2%

 

**DESTAQUES**

 

ADOBE (ADBE)

A Adobe superou as estimativas dos analistas para seus resultados reportando lucros de $2,45/ação por ação. As receitas cresceram 14%, mas os lucros saltaram 74% alcançando $1.1BI no trimestre. O uso cada vez maior e mais intenso de documentos digitais por causa da COVID-19 foi um grande fator positivo para seus números. “A mudança para ‘todas as coisas digitais’ em todos os segmentos de clientes em todo o mundo servirá como um vento favorável para nosso crescimento”, disse o CEO da empresa. Mas a empresa deu um guidance modesto de manutenção de lucros para o próximo trimestre e evitou fazer previsões para o ano dada a incerteza do momento. De acordo com a FactSet, dos 28 analistas que cobre o papel, 19 recomendam compra, 8 estão neutros e 1 recomenda venda. As ações acumulam alta de 22% no ano e a empresa vale $195BI na bolsa americana. Ela tem uma dívida que é quase igual ao seu caixa, então podemos dizer que dívida não é um problema para ela….fora isso ela tem forte capacidade de gerar caixa – últimos 12 meses foram mais de $4BI gerados. Questão é que ela negocia a 40x lucros, ou seja, não é barata.

 

DESCONHECIDAS E LUCRATIVAS

Essa semana vou fazer uma sequência abordando empresas que não estão na mídia, que não são vedetes ou queridinhas do momento, mas que nem por isso deixam de ser empresas lucrativas. A ideia aqui é chamar atenção ao ouvinte de que o mercado americano não se restringe as FANGMAN ou as 5 maiores. Os ativos citados aqui não são recomendações e todo investimento deve respeitar o perfil de risco do investidor.

 

Old Dominion Freight Line – NASDAQ: ODFL 

Quem é: A Old Dominion Freight Line, nada mais é do que uma transportadora que opera na América do Norte. A empresa faz diversos tipos de transportes: regionais, inter-regionais, nacionais, transporte de contêineres, e até consultoria em na cadeia de suprimentos. A Old Dominion Freight Line, Inc. foi fundada em 1934 e está sediada em Thomasville, Carolina do Norte. Ano passado ela foi eleita pelo décino ano seguido a melhor transportadora dos EUA. Alguns de seus competidores: JB Hunt (JBHT) e a Knight-Swift (KNX) – elas tb tem ações na bolsa. A empresa tem quase 20 mil funcionários e faz parte do S&P 500.

Números: Nos últimos 17 anos suas receitas cresceram 12.4% aa em média e nos últimos 3 anos seus lucros cresceram 27%aa. Ela não pode ser considerada uma cash king, mas ao menos tem mais caixa do que dívida…sobram-lhe 310MM em caixa. 99% das suas entregas ocorrem dentro do prazo e o número de reclamações caiu próximos a zero! Ela veio ganhando Market share nas 6 regiões dos EUA, na média ela tem 11% de Market share de transportes de cargas nos EUA. De 2010 a 2019 ela investiu $1.5BI na compra de terrenos e espaços para seus centros de serviços. Com isso ela vem hoje surfando o crescimento do ecommerce e da maior necessidade de transportes de mercadorias.  Mas obviamente que ela não é imune aos ciclos e o arrefecimento econômico tende a impactar negativamente seus resultados esse ano.

Ações: Suas ações sobem 23% esse ano e triplicaram de valor nos últimos 5 anos – saindo de ~$48/ação em 2015 para ~$160/ação atualmente. A empresa vale 18BI na bolsa americana; tem um retorno sobre o patrimônio líquido de mais de 20%. Ela negocia a 30x lucros e 22x seu fluxo de caixa do ano; mas chegou a estar caindo 16% no ano no auge da crise, mesmo com a intensificação do uso do transporte de cargas.

Analistas: 4 buy; 7 hold; 2 sell

 

Era isso.
Aquele Abs.

Twitter: @willcastroalves
Instagram: @willcastroalves
Linkedin: William Castro Alves

Disclaimer: O conteúdo deste podcast é apenas para fins informativos, não serve como recomendação de compra ou venda de qualquer título na Avenue ou em qualquer outra conta. Ele também não é uma oferta ou venda de um título. Também não são relatórios de pesquisa e não servem como base para qualquer decisão de investimento. Todos os investimentos envolvem riscos e o desempenho passado não garante resultados ou retornos futuros.

Leave a Reply