20200908 – PODCAST BOM DIA USA: O que está acontecendo com o Nasdaq? E mais: Tesla fora do índice de mais uma pequena e lucrativa

Podcasts
Tempo de leitura: 11 min

 

E para quem gosta de ler, aí está a transcrição do podcast. Esse é um podcast destinado aos clientes da Avenue. O texto aqui é apenas uma transcrição e Tais comentários não devem ser visto como qualquer tipo de recomendação de investimentos. 

 

**ONTEM**

Semana passada vimos movimentos bastante atípicos ainda que façam parte do universo dos investimentos. Falo das fortes quedas que vimos em algumas ações do setor de tecnologia. Foge ao escopo, ou eu diria que é complexo explicar aqui o que aconteceu. Mas em suma, um movimento catalisado pelo mercado de derivativos acabou gerando as fortes quedas no setor de tecnologia. O Softbank havia comprado um volume grande de opções de compras em ativos de tecnologia; para se esquivar do risco de serem executados os dealers compram essas ações para ter para entregar e isso ajudou a puxar o mercado nas últimas semanas. Com as quedas alguns desses derivativos deixam de representar risco e os dealers saem desovando isso em mercado. Em suma dealers zerando posições em algumas dessas ações acabou gerando um certo efeito espiral…chamando atenção do mercado e dando o gatilho para outros players zerassem suas posições. Vou comentar mais na sala de análise as 9h45. Fora isso muitos aproveitaram para embolsar lucros e outros para migrar seus investimentos a outros setores.

  • Dow: -0.56%
  • S&P: -0.81%…queda de 2.3% na semana
  • Nasdaq: -1.27% …queda de 3.3% na semana
  • Economia: em termos econômicos tivemos a divulgação da taxa de desemprego dos EUA a qual caiu para 8,4% em agosto número esse melhor que o esperado (txa em 9,8%). Quanto à criação geral de empregos, o emprego nos EUA cresceu 1,37 milhão em agosto, superando uma estimativa de 1,32 milhão. https://rb.gy/ae9vln
  • Setores: mais uma vez o setor de tecnologia foi mal com o XLK -1.4% e o segmento de semicondutores SOXX -1%. Destaques de baixa para: CRM -3.9%, ADBE -3.1%, NVDA -3%, TWTR -4.2%, FB -2.9, GOOG -3%. Setor bancário performou bem com o KRE +2.1%e o KBE +2%. Destaque para BAC +3.4, ZionsBancorp (ZION) +3.7%, Huntington HBAN +2.95% e as empresas de seguros Metlife e Prudential subindo 2.5%.
  • Dólar: O dólar fechou a sexta-feira, 4, em alta, após cair nos últimos três dias. A alta foi de 0.21% cotado a R$ 5,3071. A moeda americana acumulou queda de 2% na semana, a segunda consecutiva de desvalorização. No ano, porém, o dólar ainda acumula alta de 30%.

 

**HOJE**

  • Asia: maioria em alta com exceção de Índia e Cingapura com quedas de 0.14% e 0.26% respectivamente. Aliás a Índia supera o Brasil como o 2ª maior número de casos de vírus do mundo, atrás apenas dos EUA.
  • Europa: dia de queda nos mercados europeus com o Stoxx 600 caindo 1.2%.

Volta a tona a questão China x USA. Tensões entre os Estados Unidos a China continuam no radar, depois que o presidente Donald Trump levantou a ideia de separar as economias dos países. Nesta segunda-feira, ele sugeriu que os países não perderiam dinheiro se deixassem de fazer negócios. Trump também ameaçou punir empresas americanas que criem empregos no exterior e proibir aquelas que fazem negócios na China de ganhar contratos federais.

  • Futuros: apontam para mais quedas como S&P -0.8% e o Nasdaq -2.3%
  • Petróleo: As dificuldades enfrentadas pela Saudi Aramco, uma das maiores empresas do mundo em faturamento e detentora da segunda maior reserva de petróleo bruto do planeta e que viu seus lucros despencarem no 2TRI, fez o preço do petróleo desabar: o petróleo WTI opera em baixa de quase 5%.
  • Agenda: dados mais relevantes somente na quinta com o pedidos de auxílio desemprego e PPI.

 

**DESTAQUES DE ATIVOS**

BALANÇOS

  • Hoje: Lululemon (LULU), Slack (WORK), ambos depois do fechamento
  • Quarta-feira: Oracle (ORCL), Aurora Cannabis (ACB), GameStop (GME)
  • Quinta-feira: Chewy (CHWY), Peloton (PTON),
  • Sexta-feira: Kroger (KR)

TESLA NO ÍNDICE

Ações da Tesla caem mais de 10% no pré mercado. Existia uma expectativa muito grande que as ações da empresa fossem adicionadas no índice S&P 500, o que acabou não ocorrendo. Na sexta-feira, o Comitê de Índice S&P 500 decidiu adicionar o site de comércio eletrônico Etsy (ETSY), o fabricante de equipamentos de Teradyne (TER) e a empresa farmacêutica Catalent (CTLT) ao S&P 500, mas não incluiu o Tesla. Alguns investidores esperavam que a Tesla fosse incluída neste trimestre, após reportar seu quarto trimestre consecutivo de lucratividade em julho. Alguns highlights:

  • Ações da empresa já subiram 400% esse ano com o seu valor de mercado excedendo Toyota, Volkswagen, GM e Ford somados!
  • Empresa passou pelo split recentemente o que ajudou a alimentar as recentes altas.
  • As ações da Tesla foi uma das que está envolvida nessed evento que comentei com vocês do elevado número de opções em aberto nas ações da empresa o que aumenta a vol do papel.
  • Empresa realizou um aumento de capital de $5BI com a venda de novas ações aproveitando os valores altos.
  • Baillie Gifford uma gestora escocesa com sede em Edimburgo e uma das maiores acionistas estrangeiras reduziu sua posição na empresa.

 

PEQUENAS E LUCRATIVAS?

Lá em junho eu fiz uma série chamada “Desconhecidas e Lucrativas” no qual abordei 11 empresas que muitos não conhecem, que não estão no radar dos investidores. Terça eu comecei uma série com empresas menores de até 10BI de valor de mercado – as pequenas e lucrativas. Ressalva: empresas menores enfrentam mais dificuldades em momentos de crise; além disso o fato de terem sido lucrativas no passado não garantem que serão no futuro.

Williams-Sonoma, Inc. (WSM)

O que faz: Williams-Sonoma é uma varejista que oferece vários produtos para o lar – mais na linha dos utensílios. Comparações são sempre imperfeitas e esdrúxulas, mas poderíamos comparar com a Camicado ou Zara Home. Ou seja, dá para dizer que é uma loja de produtos para casa mas com a pegada mais Upscale. No slogan deles eles se posicionam como uma empresa com uma pegada digital, preocupada com a sustentabilidade e que fica num bom design – The world’s largest digital-first, design-led, sustainable home retailer.” Com 614 lojas; incluindo 20 lojas no Canadá; 19 lojas na Austrália; 3 lojas no Reino Unido; e 129 lojas franqueadas, além de sites de comércio eletrônico em vários países do Oriente Médio, Filipinas, México e Coréia do Sul. Como toda e qualquer empresa ela vem trabalhando para transformar sua operação em o mais digital possível. Já no ano passado atingiram 50% de vendas no universo online. Eles advogam que o mercado ainda é bastante fragmentado e com vendas acontecendo em players locais, então eles veem espaço para crescer. Mercado americano de artigos para o lar alcança um valor de $200BI e eles estão atrás da Bed Bath and Beyond e Home Goods em termos de share com 7% do mercado. Fora isso, grande parte das vendas ainda era nas lojas, algo que vem mudando com a Covid e que beneficia quem está mais preparado. A Williams-Sonoma, Inc. foi fundada em 1956 e está sediada em San Francisco, Califórnia. https://rb.gy/lhtoug; https://rb.gy/asv37w

Números: Empresa entregou um crescimento médio anual de receita de 6%aa desde 2010, com receitas chegando próximo aos $6BI; no mesmo período o lucro cresceu 11%. Apesar da margem de lucro baixa – margem líquida de 6% (uma característica do setor) – ela conseguiu entregar uma rentabilidade bastante satisfatória em suas operações. ROE de 30% e ROI de 24%. Nesse último trimestre, enquanto o varejo era devastado, eles conseguiram entregar crescimento de 2.6% de vendas, com o ecommerce crescendo vendas em 31% e chegando aos 70% de participação nas vendas. Como o público dele é de renda maior, tendem a sofrer menos nesses períodos de crise. Isso aliado ao fato das pessoas ficarem mais em casa ajudou a explicar esse bom resultado. Relação DL/Ebitda de 1.4x o que é super administrável.

Ações: Ações sobem 15% esse ano e 30% em 12 meses; negociam a um P/L foward de 15x e atual de 17x; 11x Ev/Ebitda. Dividend Yield atual de 2.2%, pago trimestralmente de forma ininterrupta desde pelo menos 2006, e tendo crescido pelos últimos 7 anos.  https://rb.gy/xtqjhx; https://rb.gy/he64c4 ; https://rb.gy/pa0ugi

 

DOCUSIGN (DOCU)

Empresa que automatiza processos manuais baseados em documentos – contratos, memorandos e tudo mais que precise ser assinado. Empresa tem como clientes bancos, imobiliárias, e todo e qualquer negócio que você imagine que precise de documentos sendo assinados ou validados. A empresa divulgou resultado na sexta e ações caíram 10%. Na verdade seus números superaram estimativas de Wall Street para ganhos, receitas e projeções futuras. Empresa tem se beneficiado e muito da necessidade cada vez mais presente na sociedade do home office. Receitas cresceram 45% YoY, com número de clientes crescendo 39%; lucro saindo de $0.01/share para $0.17/share e fluxo de caixa chegando a 100MM. Apesar disso, o Deutsche Bank rebaixou as ações de comprar para neutro, dizendo que o preço das ações já refletia um forte crescimento futuro. Ações da empresa acumulam alta de 191% no ano com a empresa valendo 40BI.

https://rb.gy/crkdzt

 

Era isso.
Aquele Abs.

Twitter: @willcastroalves
Instagram: @willcastroalves
Linkedin: William Castro Alves

Disclaimer: O conteúdo deste podcast é apenas para fins informativos, não serve como recomendação de compra ou venda de qualquer título na Avenue ou em qualquer outra conta. Ele também não é uma oferta ou venda de um título. Também não são relatórios de pesquisa e não servem como base para qualquer decisão de investimento. Todos os investimentos envolvem riscos e o desempenho passado não garant

Leave a Reply