20201117 – PODCAST BOM DIA USA: Mercados na máxima histórica, Mordena anuncia vacina, fusão Simon e Taubman, Resultado JD e PaloAlto

Podcasts
Tempo de leitura: 12 min
E para quem gosta de ler, aí está a transcrição do podcast. Esse é um podcast destinado aos clientes da Avenue. O texto aqui é apenas uma transcrição e Tais comentários não devem ser visto como qualquer tipo de recomendação de investimentos. 

 

**ONTEM**

Vamos falar do fechamento de segunda! Os mercados encerraram o dia em alta, com os índices renovando novas máximas, repercutindo as boas notícias em relação a uma possível vacina ainda este ano, agora com maior eficácia em relação as duas antes anunciadas.

 

 

  • Dow: +1,60%
  • S&P: +1,16%
  • Nasdaq: +0,80%
  • Setores: Ontem, destaque positivo para todos os setores: Petróleo XLE com alta de (+6,67%), Industrial XLI com alta de (+2,48%) e Bancos XLF com alta de (+2,29%).
  • Economia: Na segunda, não tivemos nenhum dado relevante para ser comentado.
  • Dólar: No dia de ontem, o dólar encerrou em queda, cotado a R$5,44 (-0,65%). No cenário externo, repercutiu o tom otimistas após dados melhores de alguns países asiáticos e o fato de uma vacina estar cada vez mais próximo. Já no cenário interno, o nosso fiscal continua na mira dos investidores e todos ficaram de olhos nas eleições municipais do Brasil. https://rb.gy/0mzfiq

 

**HOJE**

  • Ásia: No continente asiático, as ações operaram em um misto, com o índice de Shangai caindo (-0,21%) e o do Japão, a Nikkei, subindo (+0,42%)
  • Europa: Na Zona do Euro, as ações abrem em queda, a Euro Stoxx caia (-0,31%) hoje as 7:30 da manhã no horário de Brasília. Enquanto a CAC40 (Índice Francês) caia leve (-0,20%) e a DAX (índice alemão) caia leve (-0,19%).
  • Futuros: Os principais índices futuros americanos amanheceram em queda, com o futuro do S&P500 caindo (-0,44%) e o futuro do Dow Jones caindo (-0,34%), também as 7:30h da manhã.
  • Agenda: Hoje temos vendas no varejo, preço de bens importados, preço de bens exportados, estoques das empresas e produção industrial nos Estados Unidos. Já do lado dos resultados, temo Home Depot (HD), Walmart (WMT) e a companhia de jogos Sea Limited (SE)

 

 

 

**DESTAQUES DE ATIVOS**

JD.COM (JD) 

Chegando ao que interessa. Vou comentar hoje sobre uma companhia chinesa de ecommerce, a JD.COM (JD). Ela apresentou seus resultados referente ao terceiro trimestre de 2020 e bateram as estimativas. Porém, suas ações amarguraram e encerraram com queda de (-7,41%) no dia de ontem.

Ela entregou uma receita de $25,7 bilhões, uma alta de 29,2% em comparação ao mesmo período anterior. Sendo que a receita dos seus produtos vendidos cresceu 34,8% e as receitas de serviços prestados cresceram 42,7%. Seu resultado foi impulsionado pela pandemia, já que muitas pessoas começaram a comprar mais online. Contas anuais de clientes ativos cresceram 32% em 12 meses para 441 milhões.

A companhia comentou também que seu plano de subscrição JD Plus ultrapassou 20 milhões de assinantes em outubro. Esse plano oferece descontos, fretes mais baratos e 24hrs de atendimento para seus usuários. Além disso, anunciaram uma parceria com a trip.com, uma das maiores agências de viagens da China.

Vale ressaltar que a companhia tem outros segmentos, como Healthcare, Cloud (nuvem) e até logística. Mas o que mais gera receita para ela, cerca de 94% da sua receita total, é a parte de varejo online dela. Todos os outros segmentos ainda são muito jovens e são apostas da companhia, que até então, tem gerado algum fruto.

Sendo assim, a JD entregou um lucro por ação de $0,50 cents, batendo as estimativas e crescendo 64% no ano contra ano. Outro ponto positivo foi que o EBITDA encerrou $1 bilhão com margem de 3,8%, melhor que o esperado e 7p.p. a mais na margem EBITDA em relação ao mesmo período anterior.

Para quem não conhece a JD ela é uma companhia chinesa de comércio online, que possui outras áreas como eu citei anteriormente. Fundada em 1998 e com sede na China. Em 2019, ela possuía pouco cerca de 700 armazéns em 89 cidades, cobrindo vários distritos.

Ela emprega pouco mais de 227mil colaboradores e em 2019, entregou cerca de $82,8 bilhões em receitas anuais. Atualmente, o seu valor de mercado é de aproximadamente $124,3 bilhões.

 

PALO ALTO NETWORKS (PANW)

A próxima companhia, é uma empresa de segurança cibernética, a Palo Alto Networks (PANW). Ela também apresentou seus resultados no dia de ontem referente ao seu primeiro trimestre de 2021 (seu ano fiscal) e também bateu as estimativas. Suas ações fecharam com alta de (+7,7%).

Ela entregou uma receita de $946 milhões, alta de 23% no ano contra ano. O seu faturamento cresceu 21% no ano contra ano e encerrou em $1,1 bilhão. Graças a pandemia também, os serviços e produtos oferecidos pela empresa aumentaram também, já que muitas empresas começaram a dar mais valor a segurança de seus dados.

Além de fornecer um produto que é um firewall, uma espécie de programa que ajuda a proteger o seu computador e os seus dados. Ela fornece um plano de subscrição integrado com nuvem, chamado de SASE, que no trimestre teve mais de mil clientes, uma alta de mais de 100% no ano contra ano. Agora, o Prisma Cloud que é o serviço de nuvem dela, tem 70% das empresas da Fortune 100 como clientes dela, uma alta de 43% em relação ao terceiro trimestre de 2020.

Vale ressaltar que a parte de subscription e suporte que ela presta, representa algo em torno de 75% da receita total, o que é bastante interessante, o modelo de subscrição é visto com bons olhos por muitos analistas, já que geração de receita fica mais previsível. A companhia conseguiu entregar um lucro por ação de $1,62 dólares, batendo as estimativas e com alta de 53,2% em relação ao mesmo período anterior.

Para quem não conhece a Palo Alto Networks, ela é uma empresa que oferece produtos de segurança cibernética e serviços de assinaturas que oferecem proteção contra ataques cibernéticos, malwares e proteção de dados. Fundada em 2005 e com sede na Califórnia. Ela oferece seus produtos e serviços para diversos setores, incluindo até o governo dos Estados Unidos.

Emprega pouco mais de 8mil colaboradores e em 2019, entregou cerca de $3,4 bilhões em receitas anuais. Atualmente, o seu valor de mercado é de aproximadamente $26,4 bilhões. https://rb.gy/wknnb6

 

MODERNA (MRNA) https://rb.gy/q7juh2

Ontem pela manhã logo antes da abertura a Moderna anunciou os resultados dos seus testes de fase 3 da sua vacina. A Moderna disse que os dados preliminares mostram que sua vacina contra o coronavírus é mais de 94% eficaz na prevenção da Covid-19 – um resultado que o CEO Stephane Bancel chamou de “divisor de águas”. A empresa sediada em Cambridge, Massachusetts, também disse que não havia preocupações de segurança “significativas”, acrescentando que a vacina é segura e bem tolerada, com a maioria dos eventos adversos em participantes sendo rotulados como leves ou moderados. Os efeitos colaterais incluíram dor no local da injeção e, após a segunda dose, fadiga, dores musculares e dores de cabeça. O secretário de Saúde, Alex Azar, disse à CNBC na segunda-feira que a Food and Drug Administration agirá “o mais rápido possível” para liberar as vacinas contra coronavírus da Pfizer e Moderna para uso de emergência. A notícia ajudou a impulsionar o papel que chegou a estar subindo 15% na pré abertura e acumula mais de 400% de alta no ano. E mesmo não tendo uma vacina aprovada ou algum tratamento comercializado a empresa vale 39BI na bolsa americana.

 

SIMON PROPERTY (SGP) E TAUBMAN (TCO) https://rb.gy/kzrrle

As ações da Simon e da Taubman saltaram mais de 8% durante o pregão ontem depois que ambas empresas anunciaram que revisaram os termos de sua fusão. Taubman Centers, mais focado em shoppings de luxo, concordou com um preço mais baixo para se fundir com o maior proprietário de shopping center dos EUA, Simon Property Group. Sob o novo acordo, Simon vai agora pagar US$ 43/ação da Taubman, uma queda de cerca de 18% em relação ao preço original de US$ 52,50. Com isso elas evitam ira a corte resolver sus diferenças. Em fevereiro, antes da chegada da pandemia, Simon concordou em comprar a Taubman em um negócio avaliado em US$ 3,6 bilhões, de olho nos 26 shoppings de luxo de Taubman, que incluem alguns na Ásia. Mas a empresa então anunciou em junho que estava exercendo seus direitos contratuais para rescindir o negócio. Entre outras coisas, Simon estava argumentando que o portfólio de shoppings de Taubman estava sofrendo mais do que alguns de seus pares durante a pandemia, devido à falta de turismo e gastos com luxo. Com o novo acordo, Simon economiza cerca de US$ 800 milhões. Simon vai adquirir 80% de participação na Taubman enquanto a família Taubman venderá cerca de um terço de sua participação e permanecerá como sócio de 20%, permanece inalterada. Os conselhos de administração de Simon e Taubman aprovaram os termos da transação, que deve ser concluída no final deste ano ou no início de 2021. Ela permanece sujeita à aprovação dos acionistas da Taubman. As ações da Simon caíram cerca de 50% este ano, enquanto as ações da Taubman subiram cerca de 27% – as ações da Taubman fecharam muito próximas ao preço da oferta.

 

Vou ficando por aqui pessoal, hoje tem sala de análise as 9:30 comigo e com o William Castro Alves. E as 10:15 com o Bo Williams, passando em vários gráficos. Quem quiser me seguir nas redes sociais, o meu instagram é @brenobonani e o twitter é @breno_bonani. E quem quiser seguir o William no twitter ou instagram é @willcastroalves. Por fim, desejo a todos um excelente dia e uma ótima terça-feira! Forte abraço!!

 

Era isso.
Aquele Abs.

Twitter: @willcastroalves
Instagram: @willcastroalves
Linkedin: William Castro Alves

Disclaimer: O conteúdo deste podcast é apenas para fins informativos, não serve como recomendação de compra ou venda de qualquer título na Avenue ou em qualquer outra conta. Ele também não é uma oferta ou venda de um título. Também não são relatórios de pesquisa e não servem como base para qualquer decisão de investimento. Todos os investimentos envolvem riscos e o desempenho passado não garante resultados ou retornos futuros.

Leave a Reply