20201230 – PODCAST BOM DIA USA: O que esperar para 2021 – Episódio 4

Podcasts
Tempo de leitura: 12 min
E para quem gosta de ler, aí está a transcrição do podcast. Esse é um podcast destinado aos clientes da Avenue. O texto aqui é apenas uma transcrição e Tais comentários não devem ser visto como qualquer tipo de recomendação de investimentos. 

**ONTEM**

Vamos falar do fechamento de terça! Os mercados americanos encerraram o dia em leve queda, dando indícios do que parece ser uma realização saudável depois de tantas máximas sendo renovadas. Os investidores continuam de olho para o congresso americano, na esperança de que mais algum estímulo ainda saia depois que o presidente Trump comentou que os cheques de $600 dólares deveriam ser de $2000 dólares.

 

  • Dow: -0,22%
  • S&P: -0,22%
  • Nasdaq: -0,38%
  • Setores: Na terça, destaque negativo para todos os setores: A gente teve Biotechs XBI com queda de (-3,11%), Petróleo XLE com queda de (-0,69%) e Industrial XLI com queda de (-0,68%).
  • Economia: No dia de ontem, a gente não teve nenhum dado relevante.
  • Dólar: Na terça-feira, o dólar fechou em queda, cotado a R$ 5,18 (-1%). No cenário externo, repercutiu o otimismo em relação a aprovação de um novo pacote de estímulos. Já no cenário interno, continua as incertezas em relação ao fiscal brasileiro.

 

**HOJE**

  • Ásia: No continente asiático, as ações operaram a madrugada em um misto. Depois que o PIB da China foi revisado para baixo, para 6%.O índice de Shangai fechou com alta de (+1,05%), enquanto no Japão, a Nikkei fechou com leve queda de (-0,45%).
  • Europa: Na Zona do Euro, as ações abrem em leve alta. Por lá, repercute a aprovação pelo órgão regulador de drogas do Reino Unido o uso da vacina da Oxford-Astrazeneca. Além disso, os legisladores do Reino Unido devem votar o acordo comercial pós-Brexit hoje. A Euro Stoxx abriu com leve alta de (+0,09%) hoje as 7:50h da manhã no horário de Brasília. A CAC40 (índice francês) subia leve (+0,10%) e a DAX (índice alemão) subia leve (+0,13%).
  • Futuros: Os principais índices futuros americanos amanheceram em alta, com o futuro do S&P 500 subindo (+0,43%) e o futuro do Dow Jones subindo (+0,38%). Hoje as 7:30h da manhã também.
  • Agenda: Hoje a gente tem Nível de Estoques no Varejo (ex-automóveis), PMI de Chicago, Vendas Pendentes de Moradias e Estoques do Petróleo Bruto nos Estados Unidos.

 

 

**DESTAQUES DE ATIVOS*

 

O QUE INVESTIR EM 2021: 7 TENDÊNCIAS PARA FICAR DE OLHO!

Vamos encerrar nosso podcast com algumas tendências para ficar de olho já no próximo ano. Eu sei que algumas pessoas já devem ter ouvido de algumas, porém, outras eu acredito que nem tanto. No geral, algumas tendências já são bem óbvias para quem acompanhar o mercado. Mas vamos lá, é sempre bom relembrar e apresentar novas ideias.

 

  1. O impacto de Biden

Janeiro provavelmente será dominado por notícias do próximo governo Biden. Muito já foi escrito sobre o plano do presidente eleito Joe Biden de aumentar os impostos sobre os ricos e seu impacto potencial sobre as ações. Mas o mercado reagiu favoravelmente à aparente vitória de Biden na noite das eleições e continuou a se recuperar à medida que os resultados das eleições se tornaram mais claros nos dias seguintes. Nesse quesito, vale a pena ficar de olhos no setor de cannabis, energia renovável e infraestrutura.

 

  1. Início do fim da Covid-19

A aprovação e distribuição gradual das vacinas Covid-19 será uma grande obsessão no início e meados de 2021. As vacinas funcionarão conforme anunciado? Eles serão rapidamente distribuídos em todo o país e em todo o mundo?

Haverá soluços inevitáveis. Mas, à medida que o clima voltar aos EUA, a normalidade pode começar a retornar gradualmente. A rapidez com que a pandemia enfraquecer terá enormes impactos macroeconômicos, que afetarão todos os setores de investimento.

Logo, a gente cai na tônica que já está sendo batida a muito tempo. Olhar para companhias aéreas, hotéis, resorts, casinos, cinemas, restaurantes e outros segmentos que foram amassados por conta da pandemia. Qualquer movimentação mais rápida e positiva para uma possível volta ao normal (eu sei galera, normal nunca mais), mas qualquer coisa nessa direção pode impulsionar esses setores ainda mais.

 

  1. Covid-19 pode levar as ações de farmácias de volta aos olhos dos investidores

Se a indústria farmacêutica conseguir colocar a Covid-19 sob controle durante 2021, será um triunfo para a ciência. As empresas públicas envolvidas no esforço serão generosamente recompensadas.

Alguns vencedores serão óbvios, como fabricantes de vacinas como Pfizer ( PFE ) ou Moderna ( MRNA ) – mas empresas que trabalham com drogas terapêuticas como Regeneron ( REGN ) também serão beneficiadas.

Haverá vencedores menos óbvios também. Vale a pena citar Amazon entrando no segmento de farmácias, a UnitedHealthGroup recentemente também e outras companhias que estão acelerando os seus processos. A tese de que mais pessoas vão começar a cuidar da saúde e se prevenir com vitaminas e outros medicamentos é válida, assim como o envelhecimento populacional é de certa forma inevitável.

Apenas um parêntese nessa reflexão: A distribuição da vacina exigirá um enorme esforço logístico. Algumas vacinas requerem transporte bem abaixo do congelamento, por exemplo, para que as empresas que vendem tecnologia de refrigeração possam se beneficiar. Vale a pena ficar de olho nas transportadoras parceiras das companhias que estão desenvolvendo as vacinas.

 

  1. Cuidado com as ações de home office

Por outro lado, muitas empresas que viram ganhos surpreendentes em 2020 podem ser ameaçadas por um possível retorno à normalidade após a Covid-19. Também tivemos uma amostra disso com o ensaio de vacinas revolucionárias anunciadas pela Pfizer. O querido Zoom (ZM) perdeu quase 20% em um dia, apesar de contar com uma alta no ano de +419%. Os serviços de entrega de alimentos também caíram drasticamente, assim como ações semelhantes.

Logo, pessoal, muita cautela com 2021 e as ações que se saíram vencedoras neste ano. Com essa volta da “normalidade”, muitas dessas empresas também começam a voltar com sua demanda ao normal ou muitas vezes, pode ver uma queda mais acentuada da demanda em relação a períodos que foram muito bons (como o segundo e terceiro trimestre do ano de 2020). Logo, a comparação dos próximos resultados vai ficar mais difícil de se fazer em relação ao ano de 2020, o que pode pesar em cima da precificação dessas companhias que se saíram vencedoras e começaram a negociar a múltiplos estratosféricos.

 

  1. Esteja ciente da rotação

Novas fases de investimento são normais. No mercado de ações, eles são chamados de “rotações”. O dinheiro corre atrás dos ganhos em certos setores até que uma alta ali se esgote, e então o dinheiro corre para outros setores.

Não é incomum que um aumento no investimento em tecnologia de alto risco / alta recompensa seja seguido por uma corrida para ações enfadonhas de serviços públicos. É provável que os investidores atuem em diferentes setores em 2021.

 

  1. Isso que dizer “bye bye” para empresas de tecnologia?

A desaceleração tecnológica e as tendências de rotação nos levam aos estoques FAANG e seu impacto de mercado descomunal nos últimos anos. FAANG é um apelido de Wall Street para Facebook ( FB ), Amazon ( AMZN ), Apple ( AAPL ), Netflix ( NFLX ) e Google (agora chamado de Alphabet).

essa cesta de gigantes da tecnologia representa cerca de 20% do valor do S&P 500. Mais importante, durante 2020 eles representaram uma porção gigante dos ganhos vistos no S&P 500.

No final de novembro, por exemplo, o S&P 500 subia cerca de 13% no ano. Mas a Microsoft e o Google subiram 36% cada, o Facebook subiu 40%, a Netflix subiu 55%, a Apple subiu 67% e a Amazon superou 70%.

É bem provável que essa história mude em 2021, mas não vai mudar a tese secular galera. O que resta saber é se os nomes FAANG podem continuar a subir como foguetes ou se os investidores procurarão rotacionar seu dinheiro para outras ações de tecnologia ou para outros setores.

Não se esqueçam, as novas empresas e as antigas estão se adaptando e usando cada vez mais tecnologia em seus processos. Nenhuma companhia daqui 5-10 anos pode se dar o luxo de não ter muita tecnologia empregada e muito análise de dados para tomada de decisão. Logo, investir em tecnologia faz total sentindo, mas não vamos ficar na mesma. 5G, IoT, Inteligência Artificial, Nuvem, Carros Autônomos e Elétricos, economia do compartilhamento e muito mais. O cardápio é grande, basta a gente estudar e escolher bem.

 

  1. O NOVO VAREJO

Por fim, eu gostaria de comentar sobre o novo varejo. Acho que já bati nessa tecla até demais, mas continuo ainda vendo necessidade. Muitas companhias de varejo, principalmente que já tinham feito a virada de chave para o ecommerce, surfaram muito bem a crise do Covid-19.

Logo, muitas dessas companhias continuaram indo bem nos próximos anos, com mais investimentos, seja em tecnologia, seja em pessoas ou seja em novos espaços ou não. Mas atenção para companhias que ainda estão tentando fazer a virada de chave, é um movimento complexo e varejo é um segmento que quebra com uma facilidade absurda.

Sendo assim, focar os estudos em companhias que já estão caminhando bem, com coletas nas ruas, aumento dos espaços das lojas para atender as vendas online e retiradas nas lojas, companhias que já tem um plano para otimizar as devoluções e que estão utilizando dados analíticos para medir tudo que estão fazendo. O ecommerce continua uma tendência, ele foi acelerado na pandemia, mas ele é ainda muito pequeno em relação ao varejo total dos Estados Unidos e do mundo, então tem muito caminho pela frente ainda.

 

Vou ficando por aqui pessoal, hoje tem sala de análise as 9:30 comigo, com o Will e o Guilherme Zanin. Quem quiser me seguir nas redes sociais, o meu instagram é @brenobonani e o twitter é @breno_bonani. Por fim, desejo a todos um excelente dia, um feliz ano novo e um Forte abraço!!

Leave a Reply