20200413 – Tônica da Semana: QUANDO A BOLSA IRÁ SE RECUPERAR DO CORONA? 

Bolsas, Brasil, Emergentes, Empresas

Resultado Taurus Armas (TASA4) 1T22 – PREPARADA PARA CONTINUAR CRESCENDO!

11/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

Resultado Sequoia (SEQL3) 1T22 – Entregando tudo!

06/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

Resultado Suzano (SUZB3) 1T22 – Resultado bom, mesmo com o vento contra!

05/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

Resultado 3R Petroleum (RRRP3) 1T22 – Crescimento que não acaba!

04/05/2022

Empresas EUA, EUA, Morning Dive

22052022 - Morning Dive: Adiantaram o "Sell in may and go away?!"

02/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

5 OPORTUNIDADES PARA SE OLHAR ESTE ANO!

14/04/2022

16 comentarios

  • Will, mais um excelente texto, parabéns ao Eliseu também.
    Nos exemplos que você deu, a virada da fase de antecipação acontece sempre no fundo do mercado, não estamos lá. Na sua visão quais os fatores poderiam fazer isso acontecer no ambiente atual?
    Outro ponto, li alguns relatórios de fora que ainda desenham um potencial cenário pior, onde uma segunda onda de infecção vem forte com afastamentos social parcial ao longo de 2020 e retomada fica só pra 2021. Junto a isso, nossa bolsa abaixo dos 70k pontos precifica uma queda grande dos lucros, com empresas negociando abaixo de valor patrimonial. Nesse contexto, nesse pior cenário, como fazer para proteger a carteira?
    Abraço
    Ricardo Leão

    • Obrigado Ricardo, ficamos felizes pelo comentário!
      Achar um fundo é muito difícil, muitas vezes quem quer procurar fundo acaba perdendo a oportunidade de comprar ativos baratos. Já mostramos em alguns artigos que o ideal é sempre estar no mercado, com maior ou menor percentual em renda variável.
      Sobre proteção da carteira se faz antes de quedas, fica muito caro e arriscado proteger carteira quando existem ativos descontados, como você mesmo falou (abaixo do Valor Patrimonial). Seguro se faz em mercado que está subindo, quando é mais barato e quando poucos vêem. O que fazer sempre é diversificar, como disse.

      abraços, Eliseu

    • Obrigado pelo comentário Ricardo.
      Não protejo carteira, pois seguros custam $ no mercado. Melhor proteção para quem está pessimista é manter $ em caixa e correr o risco de oportuidade e destruição do poder de compra ao ter o dinheiro parado. Ah Dólar poderia ser uma saída.
      Discordo dos cenários mais dantescos…mas análise tem várias por aí.
      Como tu disse a bolsa brasileira precificou rápido muita coisa…tem q ter uma mar de news ruins para justificar cair mais, na minha humilde opinião.
      Sobre o que pode reverter….temos visto boas noticias do corona q tem empurrado o mercado pra cima.
      Acho q eh por ai
      abs

  • Olá Will e Eliseu, muito interessante a visão de vcs!

    Não sou “grafista” mas deu pra perceber nos gráficos, nas crises de 1987 e 2008 alguns picos de “alta” no meio do processo (vôos de galinha?) como acho que ocorreu semana passada aqui e nos EUA.

    E concordo com muita coisa que o colega Ricardo disse. Parece que uma nova onda de contaminações está surgindo no extremo oriente e a coisa se desenha pra longo prazo…

    E como serão as negociações/relações comerciais internacionais no pós-pandemia daqui pra frente???
    Além dos efeitos devastadores do baixo consumo, desempregos em massa, dívidas públicas e privadas aumentadas grandemente, demoras nas privatizações e reformas devido a travas e guerras políticas, orçamentos estourados, falta de perspectivas dos empreendedores/empresários… enfim.

    Mas para proteção acho q o ouro, dólar ainda tem bom potencial sim.
    Por isso tenho uns 20% de meus investimentos num fundo atrelado ao ouro e dólar.
    Abs.

    • Olá Will e Eliseu,
      Estava pensando na análise da tônica e cheguei aos mesmos questionamentos do Cícero, como colocar essas características, porque aqui é Brasil, e sabe como é o brasileiro principalmente os políticos, pensam apenas em si, e no cenário atual o presidente segue em voo solo na direção da volta às atividades gradativamente, para que se evite o caos econômico ( não sou a favor da volta ou isolamento total, apenas outro ponto a ser considerado, apenas penso como mais um ponto a ser vencido posteriormente, saca qdo o marido briga com a mulher e depois tem que agradar para se reconciliar, vejo isso aí no futuro das reformas a serem aprovadas) nas crises anteriores o estado estava tão ativo e assumindo todas as medidas de socorro à população, empresas, enfim o conta chega, quem paga?
      E outro ponto essa retomada se sustenta, na tese do mercado eficiente tudo está precificado, e os valores são justos, e vem outro ponto o mercado sempre olha o futuro, como o Will sempre diz também, esses desarranjos estão precificados na visão de vcs, o que sugere de novo normal do IBOV no fim de 2020/2021, de valor justo?

      Abs

      • Simei, obrigado pelo comentário! O Estado já está com pacote de cerca de R$ 1 trilhão, liberamos o compulsório, foram R$ 43 bilhões para a construção civil, uma dos setores que mais emprega, assim como o “Coronavoucher” e os R$ 600,00 para milhões de pessoas. TUdo o que falarmos aqui, de expectativas para o Ibovespa, não passa de uma futurologia e desculpa a palavra, uma perda de tempo. Acredito que o foco nosso deve ser em ativos que estão baratos perante a sua própria média, ir comprando aos poucos. Chutando, mas apenas um chute, acho que Ibovespa tem possibilidades de chegar perto dos 100 mil pontos até final de 2020, início de 2021, negociando a 10-11 vezes lucros forward.
        Abraços Eliseu

    • Obrigado pela leitura do artigo Cìcero, sempre presente com teus comentários aqui, fico feliz!
      Acredito que as relações comerciais serão de fechamento das empresas, dos relacionamentos entre pessoas com mais cautela, demoraremos a fazer turismo para uma Italia, por exemplo e sim, certamente o futuro vai mudar e demoraremos para continuar ao normal. Sobre a parte econômica governos mundiais colocando muita grana no mercado para ajustes, uns 10%-12% do PIB e isso tende a diminuir o efeito no longo prazo das quedas.
      Obrigado pelo comentário da tua carteira, importante sempre ter algo para proteção e aquilo que venho falado muito, diversificação é importante!

      Abraços, Eliseu

  • A solução mágica de ligar a impressora a cada crise, pintando papel e injetando na economia,como bėbado que combate a ressaca tomando uma, normalmente leva a mais dinheiro para quem já tem e bolhas de ativos por todos os lados.
    Muitos comparam a situação atual ao começo de Buffett, não é!
    Pensar em longo prazo quando os CEOs americanos gastaram 4.5 tri em buybacks, principal drive da alta depois de 2008, e estão de pires na mão novamente, é muito estranho, não acham?
    Empresas modernas têm controle pulverizado.
    CEO ganha por resultado de 12 meses. Está é a principal fonte de renda, não a saúde corporativa!
    A regra de dedo é tome o que puder em dívida, faça buybacks como se não houvesse amanhã, aumente o lucro por ação diminuindo o denominador e ganhe bilhōes em remuneração a cada ano.
    Quando der errado, e sempre dá, vá de calça nas mãos pedir algum aos contribuintes e recomece o ciclo.
    Os BCs e suas puts estão corrompendo o mundo corporativo dos too big to fail.
    A cada crise uma nova explosão das dívidas públicas e privadas (dos que podem) e massacre da classe média e das pequenas e médias empresas.
    É uma pirâmide movida a papel pintado.
    Quando a dívida assume proporções insustentáveis tem que ser aparada via inflação e/ou hair cut, e quem paga a conta são os poupadores e trabalhadores.
    Fiquem líquidos, só isso. Cash is King.

  • Bugg tem isso, sensatez e um pouco de positividade, muito bom isso! Sempre absorvo bem as coisas aqui. E digo que o papel do senhores ajudou e esta ajudando muito nesses tempos dificies, pq a carteiro foi só desmoronando rs

    Obrigado sempre Will and Eliseu.

Deixe uma resposta