20200518 – Tônica da Semana: ALGUMAS COISAS CHAMAM ATENÇÃO

Bolsas, Brasil, Emergentes, Empresas

Resultado Taurus Armas (TASA4) 1T22 – PREPARADA PARA CONTINUAR CRESCENDO!

11/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

Resultado Sequoia (SEQL3) 1T22 – Entregando tudo!

06/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

Resultado Suzano (SUZB3) 1T22 – Resultado bom, mesmo com o vento contra!

05/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

Resultado 3R Petroleum (RRRP3) 1T22 – Crescimento que não acaba!

04/05/2022

Empresas EUA, EUA, Morning Dive

22052022 - Morning Dive: Adiantaram o "Sell in may and go away?!"

02/05/2022

Bolsas, Brasil, Empresas

5 OPORTUNIDADES PARA SE OLHAR ESTE ANO!

14/04/2022

21 comentarios

  • Excelente Tônica, e como o dólar valorizou sobre o real . E foda as vezes não seguir a intuição por medo, tem um pequena parte na avenue, mais que poderia ter sido uma fatia maior da minha carteira!!!

    Parabéns Will, Eliseu e Breno

    Vê se trás mais o Romero para o Bugg tbm, ele é fera, só precisa abrir uma conta no insta kkkk

  • “Charge” é coisa de velho, Will, o nome agora é “Meme” kkkkk

    Excelente tônica, boa semana pra todos.

  • Amigos,… são tantas bolas de cristal tentando adivinhar o futuro das economias mundiais!

    Bem, a minha reflete assim: devido ao ambiente complexo de incertezas e temores em investimentos em diversas áreas nas economias mundiais, durante a pandemia e no pós-pandemia, e os desdobramentos que seguem e seguirão refletirá em radical quebra de paradigmas nos ambientes sociais, políticos e econômicos produtivos das nações em suas multiformes etapas de vivência e negociações internacionais. Mesmo com essa dinheirada gigante toda que os BCs estão jogando no mundo, entendo que muitos desses recursos irão para o cavalo ouro, alavancado pelo seu irmão dólar! Pq? seria um tipo de hedge de espera até o mundo voltar aos trilhos? talvez… já o cavalo bolsa, terá sim altas, mas seriam altas meramente técnicas-corretivas, nada de crescimento econômico fincado em fundamentos sustentáveis e robustos visualizados no pré-pandemia. Para o Brasil, as dificuldades seriam ainda piores que é difícil comentar… mas o fiscal, tributário e gastos soberbos com funcionalismo público, político, judiciário, militar seriam os piores, infraestrutura produtiva e exportadora arcaica etc.
    Abs.

      • Nada de especial Will,… investi um pouco mais em ouro apenas (agora chega rsrs…) Nas ações fiz apenas uma troca e estou mirando algumas empresas mais resilientes no meu entender aguardando uma queda pontual mais forte, devido aos fatores expostos.

        Mas bolas de cristal também sujam-se ou quebram-se né! rsrs..
        Abs.

  • Prá resumir, tirando a reza, há tantos fios desencapados que, em termos de.probabilidade, é mais fácil acordar com 10% de baixa, oi mais, que com 10% de alta.
    Bolsonaros e seus rolos.
    Covírus e seu caminho. AIDS até hoje não vacina, há reinfecção?
    Atividade econômica, pessoas se sentirão confortáveis para convívio social em quanto tempo?, qual o estrago nas empresas?, como projetar quais empresas sobreviverão?, quais serão as fabricantes de máquinas de escrever da vez? Lembrem-se da Kodak, Xerox, AltaVista…
    Geopolítica: USAxChina, Itália e zona do Euro.
    Endividando galopante e simultâneo, soberano e privado.
    Resumindo, um só fio desencapado pode causar o caos.
    Não existe bala de prata para resolver tudo, mas para dar início a um barata voa inesquecível basta um dos fios desencapados entrar em curto.
    E como todos gostam do Buffet, ele está sentado na pilha de caixa e sem comprar nadinha.
    Se o navio começa a afundar, não reze, nade!
    Day trade e durma tranquilo.

  • Olá Will, novamente excelente tônica. Gostaria de esclarecer uma dúvida que vem me incomodando a certo tempo.
    Vejo várias analistas apontando que o Brasil vem ficando muito barato para o investidor estrangeiro com a depreciação do real perante o dólar, apontando principalmente o EWZ para perto de minimas de 15 anos. O que não entendo dessa história é o seguinte: para propósitos de valuation convencional o preços dos ativos brasileiros são precificados em reais e geram lucro em reais, com o real como moeda operacional (na grande maioria).
    O investidor estrangeiro, querendo investir no brasil, pode optar por “surfar” na incerteza da cotação do real ou realizar hedge cambial do seu investimento brasileiro. Portanto, a moeda é um risco “optável” nesse caso.
    Assim, como a desvalorização do real pode ter tornado a bolsa brasileira mais atrativa para o capital estrangeiro?

    • Simples. O cara com 1MM de dolares tem hoje uns R$ 5.4MM de poder de compra…no início do ano ele tinha R$ 4MM … “ganhou” R$1.4MM a mais para comprar ativos que caíram 30% em média.
      Óbvio, sempre tem o risco do câmbio..mas como tu mesmo mencionou tem o hedge.
      Acho que é isso.
      Blz

Deixe uma resposta