RESULTADO LOG COMMERCIAL PROPERTIES (LOGG3) 3T19 – UM GALPÃO QUE NÃO PARA DE CRESCER!

Bolsas, Brasil, Empresas

Sequoia (SEQL3) – Uma exposição melhor ao ecommerce brasileiro?

10/01/2022

Morning Dive

Morning Dive: Desafios nos EUA, FED hawkish, Brasil melhorando, mas ainda estagnado!

10/01/2022

Geral

JBS (JBSS3) RESULTADO 3T21: Chegando ao ponto!

20/12/2021

Morning Dive

DROPS DE MERCADO: Inflação, FED, Brasil desacelerando e Taxas Subindo!

20/12/2021

Brasil, Lá Fora, Morning Dive

Drops de Mercado: US INDO E BZ VOLTANDO

13/12/2021

Bolsas, Brasil, Emergentes, Empresas

Profarma (PFRM3) 3T21 Resultado: Revisitando o case!

09/12/2021

2 comentarios

  • Gostaria de contestar alguns dados…..
    Se você analisar o retorno pelo capital investido é muito baixo, beeemmm menos de 3% a.a , ( isto no cenário do trimestre passado), ou seja, retorno muito baixo, avaliar o estoque de área também vejo conflito , maior é o Parque Betim, empreendimento colossal que pode oferecer risco , caso eles invistam pesado lá e não dê certo…. A venda direta dos melhores ativos imobiliários maduros para FII da família controladora diretamente também me coloca receoso sobre o ativo…..
    Enfim, retorno baixo, risco elevado quando penso em Parque Betim, compra direta pela família controladora, não tenho esta afeição pelo ativo, entrei em 17, saí em 25 há alguns meses, mas já não tenho vontade de retornar…
    A estratégia do custo da dívida e retorno do ativo imobiliário é muito interessante…. dívida barata e com spread pelos aluguéis soam como violino aos ouvidos… neste aspecto concordo contigo….
    Hoje, prefiro investir em um XPLG11 acreditando em um retorno maior pela captações robustas que fará, entendo que é diferente a análise, mas veja bem, enquanto XPLG11 dá retorno sobre os ativos de 7,4% ao ano, se analisar a LOGG3 com 800mil m2 ABL dando retorno perto de 2% de renda, mesmo que ela dobrasse para 1,6milhoes m2 ABL o retorno sobre o patrimônio estaria em 4%…
    Não sou analista, esta é minha opinião como investidor.

    • Concordo com sua visão João! Obrigado por compartilhar meu caro. Sobre o ROIC, sim é baixo, muito baixo. Assim como o ROE, gostaria que fosse maior maior… Mas veja que muitos dos contratos foram firmados a qualquer valor no passado, por isso a companhia consegue hoje manter uma vacância tão baixa em relação ao seus pares.

      Vejo que com cenário de juros baixo e a crescente retomada da economia impulsionando o varejo, isso seja a faca para a companhia. Agora só falta o queijo, que eu vejo como as renovações dos contratos para patamares melhores, assim que a retomada ficar mais forte, assim ela aumenta a taxa média de aluguel e consegue ter um retorno mais atraente… Mas é só minha opinião também. Vejo a companhia negociando abaixo do VPA e acredito que pelo tamanho do imobilizado e valor patrimonial, ela deveria vale o mínimo que seus ativos valem.

Deixe uma resposta