RNEW11 – QUANDO VENTO DEMAIS ATRAPALHA

Geral

Conheça o Modelo de Yale e saiba como aplicá-lo em sua carteira

10/05/2021

Geral

O que o aumento da Selic afeta em seus investimentos? Em nada!

10/05/2021

Geral

Tônica da Semana: Eu tenho tanto, pra lhe falar...

10/05/2021

Bolsas, Brasil

Morning Dive: Economia dos EUA, temporada de resultados e dividendos!

10/05/2021

Geral

5 lições de Warren Buffett em sua convenção anual

03/05/2021

Geral

Coisas para monitorar nos resultados dos grandes bancos

03/05/2021

2 comentarios

  • Obrigado por compartilhar a excelente análise. Mas o que estrá acontecendo em março de 2018 no que se refere à capitalização da rnew pela Brookfield? E a queda acentuada do as ações?
    Grato, acionista rschmidt@fazenda.df.gov.br
    bizu zumbi PRO
    23 de fevereiro às 18:04
    Público
    bizu zumbi
    #RNEW11 Dificuldade em acordo com Brookfield leva à renúncia de CEO da Renova, diz fonte – Redação Reuters Por Luciano Costa

    SÃO PAULO (Reuters) – A renúncia nesta semana do presidente da Renova Energia, controlada pelas elétricas Cemig e Light, acontece em meio à insatisfação do executivo com dificuldades para o fechamento de um acordo junto à canadense Brookfield, que apresentou no ano passado uma proposta pela companhia, disse à Reuters uma fonte com conhecimento do assunto.

    A Renova anunciou em comunicado na quarta-feira que Carlos Figueiredo pediu para deixar o cargo, no qual permanecerá até 28 de fevereiro, sem informar motivos para a saída do executivo.

    Procurada pela Reuters, a Renova disse que não vai comentar. Figueiredo, por sua vez, não respondeu a pedido de comentários.

    A saída de Figueiredo aconteceu às vésperas do vencimento de um período de exclusividade de 30 dias conferido em 24 janeiro pela Renova à Brookfield para negociações.

    A primeira oferta formal da Brookfield pela Renova Energia aconteceu em julho de 2017 e, no mesmo mês, as empresas assinaram um primeiro termo de exclusividade, de 60 dias, para realização de “due dilligence”.

    Os prazos têm sido alongados desde então, sem uma conclusão para a negociação.

    A Renova disse no final de novembro que havia aceito uma proposta dos canadenses, que previa um aporte primário de 1,4 bilhão de reais na endividada companhia de geração renovável. A operação tornaria a Brookfield majoritária e diluiria fortemente a posição de Cemig e Light na companhia.

    Mas, segundo a fonte, o negócio não foi fechado até o momento por discordâncias da Cemig em relação a alguns pontos do acordo.

    “Há uma recusa da Cemig em resolver a questão dos minoritários… que estava na mesa desde o começo das conversas”, disse a fonte, que falou sob anonimato. (???)

    Procuradas, Cemig e Light disseram que não iriam comentar. A Brookfield também não quis comentar.

    Figueiredo assumiu o comando da Renova em junho de 2016. Desde então, ele conduziu um processo de reestruturação da companhia que incluiu renegociações de dívidas, cortes de pessoal e venda de ativos, como o parque eólico Alto Sertão II, negociado com a AES Tietê, e o projeto eólico Umburanas, adquirido pela Engie Brasil Energia.

    Ele também comandou a busca da Renova por um novo sócio para capitalizar a companhia.

    • Renato já saí do papel há muito tempo. Perdi dinheiro nela, algo como 20%, mas me sinto bem porque poderia ter sido muito pior. O que aconteceu foi um total descaso dos dirigentes da Cemig para com o case. Basicamente eles discordaram de todos os deals que surgiram para a RNEW. Tiveram muitos interessados em tomar empresa o que mostra que existia valor ali, mas o fato de não chegarem a um acordo em uma empresa com uma dívida alta é péssimo! Então sinceramente só penso uma coisa…stay away!
      Espero ter ajudado.

Deixe uma resposta